Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Passos Manuel acusa Federação de Andebol de "solução insensível" depois do acidente

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/02/2017 O Jogo

O Passos Manuel acusou hoje a Federação de Andebol de Portugal (FPA) de ter encontrado "uma solução insensível" na sequência do acidente de viação que a equipa feminina lisboeta sofreu a 11 de fevereiro.

Em comunicado divulgado hoje, o clube refere que na sequência do acidente contactou as equipas cujos embates em atraso implicariam deslocações do clube lisboeta, "em especial nos jogos com Académico FC e Colégio de Gaia", para propor uma jornada dupla no Porto, "no fim de semana de 01 e 02 de abril, por sugestão do Colégio [de Gaia]".

Os lisboetas, que revelaram que sete das atletas envolvidas no acidente ainda não regressaram aos treinos, entre as quais duas guarda-redes, explicaram que apresentaram a proposta à direção da federação e que se mantiveram abertos a "outras possibilidades,(...) como por exemplo a alteração de datas da última jornada do campeonato".

O Passos Manuel acusa a FAP de não responder e de "impor" uma solução, determinando a "disputa de jornadas duplas a 04 e 05 de março e 11 e 12 de março com os jogos em atraso", que os lisboetas consideram "uma solução meramente administrativa e acocorada nos regulamentos, mas absolutamente insensível e não tendo em conta o caráter extraordinário da situação".

Em comunicado, a federação respondeu, lembrando que as lisboetas "só vão disputar o seu primeiro jogo depois do acidente a 04 de março" e referindo que não recebeu comunicações escritas dos clubes envolvidos nas sugestões sobre a alteração de encontros.

© Álvaro Isidoro / Global Imagens

"Para se poderem disputar jogos fora do calendário inicialmente publicado todos os clubes participantes deveriam ter comunicado por escrito tal concordância, o que não sucedeu", apontou a FAP, que considera que a realização de jogos fora do calendário desportivo da segunda fase do campeonato nacional, disputado em formato play-off, "teria impacto e relevância nas classificações".

A federação diz ainda que propôs várias soluções alternativas, mas que alguns dos clubes envolvidos manifestaram indisponibilidade para disputar os encontros em atraso.

O organismo, que sublinha no documento o apoio prestado ao clube aquando do acidente, considera ainda que "a realização de quatro jogos em nove dias não é diferente da proposta do Passos Manuel em fazer quatro jogos a 25 e 26 de março e 01 e 02 de abril".

A FAP destacou ainda ter procurado "pugnar pelo equilíbrio do caso concreto decorrente do acidente e das consequências do mesmo", bem como "pela salvaguarda de princípios de igualdade, justiça material, ética desportiva".

A 11 de fevereiro, o autocarro que transportava a equipa feminina do Passos Manuel para um jogo com o Académico do Porto, da 1.ª divisão, capotou na A1, num acidente que também envolveu duas viaturas ligeiras, do qual resultaram 23 feridos, na zona de Aveiras de Cima.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon