Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

PCP critica Governo PS por manter "traços essenciais" do PSD e CDS na Defesa

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/07/2017 Administrator

O PCP criticou hoje o Governo do PS por manter os "traços essenciais" da política de Defesa Nacional do anterior executivo PSD-CDS e alertou para as consequências negativas dessa opção. O aviso foi feito por Rui Fernandes, da comissão política do PCP, numa conferência de imprensa, na sede nacional do partido, em Lisboa, e em que criticou a "subalternização da missão constitucional das Forças Armadas, de defesa da soberania e independência nacionais". ...

O PCP criticou hoje o Governo do PS por manter os "traços essenciais" da política de Defesa Nacional do anterior executivo PSD-CDS e alertou para as consequências negativas dessa opção.

O aviso foi feito por Rui Fernandes, da comissão política do PCP, numa conferência de imprensa, na sede nacional do partido, em Lisboa, e em que criticou a "subalternização da missão constitucional das Forças Armadas, de defesa da soberania e independência nacionais".

"O prosseguimento pelo atual Governo dos traços essenciais da governação PSD/CDS, nesta área como noutras, tenderão a um inevitável agravamento na sustentação dos meios operacionais e na gestão dos meios humanos, com a consequente limitação à intervenção das Forças Armadas no cumprimento das suas missões constitucionais", afirmou Rui Fernandes.

Esta foi a crítica deixada pelo dirigente depois de apontar vários problemas à atual situação na área, no estatuto dos militares, com perdas de direitos e de "condições de cumprir todas as suas missões".

Há missões feitas "à custa de uma elevada sobrecarga e desgaste de pessoas", na Armada e na Força Aérea, acrescentou.

É inadmissível, segundo afirmou, que "se formem tropas de elite como os fuzileiros" para "patrulharem as praias em substituição da Polícia Marítima ou de nadadores-salvadores".

O PCP também recusa, acrescentou, a "conceção pimba" de ter uma política de compra de "equipamento de 'último grito'" e depois não ter pessoal tão bem formado ou ocupado noutras funções.

Segundo noticiou no domingo o Jornal de Negócios , haverá um investimento de cerca de 700 milhões de euros nos próximos anos nas Forças Armadas.

Para o PCP, é necessário "reverter políticas" nas áreas da saúde e apoios sociais nas Forças Armadas, reforçar o recrutamento e preenchimento de quadros, na formação e no treino.

Os comunistas estão também preocupados relativamente à Base Aérea do Montijo no processo de criação de um aeroporto complementar, pela "subalternização da Força Aérea" no processo e ao programa de manutenção dos helicópteros EH 101.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon