Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Pelo menos nove docentes indevidamente afastados dos concursos já viram o erro corrigido

Logótipo de O Jogo O Jogo 08/08/2017 Administrator

A Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE) já deu razão a pelo menos nove das centenas de professores que interpuseram recurso hierárquico por exclusão indevida dos concursos de colocação de professores, incluindo o de vinculação extraordinária, adiantou hoje a Fenprof.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) ajudou centenas de docentes a reclamar junto dos serviços do Ministério da Educação (ME) -- 160 no sindicato da grande Lisboa, 50 no sindicato do norte, 15 no sindicato do centro e 45 no sindicato do sul -, mas até hoje só nove professores das mais de duas centenas reportaram à federação ter visto o seu requerimento deferido.

A Fenprof não tem conhecimento, até ao momento, de qualquer recurso indeferido.

A Lusa contactou o Ministério da Educação (ME) para saber se já está concluída a análise da DGAE aos recursos interpostos -- que se estimam ser 360, de acordo com dados da DGAE sobre exclusões indevidas -- e sobre o número de deferimentos e indeferimentos, caso existam, mas não obteve resposta em tempo útil.

Depois de protestos frente à DGAE e à sede do ME em Lisboa, a meio de julho, um grupo de professores contratados que se consideraram ilegalmente excluídos das listas dos concursos de professores, conseguiu ser recebido por assessores da secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, tendo obtido garantias de uma análise célere de todos os recursos interpostos.

Estes professores tentaram, sem sucesso, que a DGAE corrigisse as listas provisórias dos concursos, alegando que o erro não era seu, mas sim dos serviços do ministério.

O ME disse na altura que a correção da situação passaria necessariamente pela interposição de recursos hierárquicos depois de publicadas as listas definitivas, não havendo lugar a correção das listas provisórias.

Disse também que os professores que entregassem recurso aos serviços tinham que o fazer acompanhar de uma declaração da direção da escola em que dão aulas a atestar o correto tempo de serviço, uma vez que foram as incorreções na contagem do tempo de serviço que estiveram na origem do afastamento de 360 professores das listas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon