Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Percebemos depressa quem era Mourinho"

Sportinveste 10/05/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia
"Percebemos depressa quem era Mourinho" © Sportinveste Multimédia "Percebemos depressa quem era Mourinho"

Arbeloa, defesa do Real Madrid, falou do ex-treinador, de Cristiano Ronaldo, Casillas e do mundo do futebol sem tabus, numa longa e invulgar entrevista.

"Percebemos quem era Mourinho num dia da pré-temporada. Os espanhóis acabávamos de ser campeões do mundo e incorporámo-nos [ao estágio do Real Madrid] em Los Angeles. Fizemos um jogo contra os Galaxy e ao intervalo perdíamos 2-0. Os gritos que ele deu! A todos, ninguém escapou", recorda Arbeloa, lateral do Real Madrid, numa entrevista à revista "Jot Down", invulgar pela forma descomplexada como aborda a profissão dele e pela quantidade de personagens que abarca.
Sobre Mourinho, prossegue: "Aprendemos depressa quem era Mou. Não imaginas Pellegrini a gritar assim com o Cristiano. Lembrámo-nos muito dessa palestra. Dizia: 'Não queres correr? No problema para mim: banco. Tu também não? No problema para mim: fora'. A qualquer um, aos campeões do mundo, a Kaká ou a um 'canterano'". O jogador coincidiu com o atual treinador do Chelsea nas três épocas que fez em Madrid, marcadas pelos inúmeros confrontos e polémicas com o Barcelona, além da goleada por 5-0. Arbeloa recorda que, antes da final da Taça que os madridistas ganharam aos catalães, "toda a semana anterior, [o centro de treinos de] Valdebebas estava cheia de recortes com declarações deles sobre a sua superioridade e o seu estilo e a foto com o gesto de Piqué a mostrar a mão". Segundo o jogador, não foi Mourinho o autor das colagens - "passava ao lado disso", diz -, mas recorda que venceram a final e que houve muitas provocações de parte a parte. "Mas a rivalidade não a inventámos nós", sublinha, recordando que num confronto anterior viu Zidane agarrar Luis Enrique pelo pescoço...

A propósito do comportamento dos futebolistas em campo, Arbeloa é taxativo: "Eu não tenho de ser um exemplo para ninguém, apenas para os meus filhos. Não entro em campo a pensar nas crianças nem em querer lesionar ninguém. Sou futebolista e entro a pensar no melhor para a minha equipa", refere, indicando a admiração que nutre por Diego Costa - "As coisas que ele faz", exclama, elogiando o lado transgressor do avançado do Atlético de Madrid: "Luta por todas as bolas e pega-se com toda a gente. E quando o defrontar, sei que terei de pegar-me com ele".

"O que faz Cris é tremendo"

Cristiano Ronaldo é alvo dos maiores elogios do companheiro de equipa, pelo profissionalismo e competitividade, mesmo nos treinos. A primeira referência a CR7 surge a propósito do outro Ronaldo e de Ronaldinho - "que teria sido deles, que foram os melhores do mundo, se tivessem a disciplina de Cristiano? O que faz Cris é tremendo, é obcecado pela perfeição. Ganhar, melhorar, continuar, lutar. Um dia após outro, sem descanso" -, para depois recordar o fenómeno goleador que já era em Manchester quando Arbeloa também estava na Premier League. "Quando perdemos a liga para o Manchester, Cristiano marcou mais de 30 golos a jogar a extremo. No Liverpool estávamos escandalizados", lembra.

A dada altura da entrevista, as duas estrelas portuguesas cruzam-se, a propósito do relacionamento entre ambos. Arbeloa reconhece que "a relação de Mou com alguns companheiros tinha-se deteriorado bastante". "Mas fomos profissionais o bastante para impedir que isso afetasse no campo". Do mesmo modo, admitiu o mal-estar com Casillas - "Somos profissionais e lutamos pelo mesmo, o Real Madrid. Não é um assunto de que vá falar [...] Já houve outros casos de jogadores que eram íntimos e estiveram dois anos sem se falar".

Fonte: O Jogo

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon