Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Pianista Daniel Cunha inicia em Manchester concertos de homenagem a Alfredo Napoleão

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/07/2017 Administrator

O pianista Daniel Cunha inicia este sábado, na igreja de St. Ann, em Manchester, uma série de concertos que têm por objetivo assinalar o centenário da morte do compositor português Alfredo Napoleão.

Alfredo Napoleão nasceu no Porto, em 1852, filho de pai italiano e mãe portuguesa, e estudou em Londres, sendo descrito frequentemente como "menino-prodígio".

"Há alguns anos para cá que tenho vindo a investigar a vida e a obra deste compositor portuense do séc. XIX, que está muito esquecido. Foi a escuta da gravação de Artur Pizarro do belo 1º. Concerto para Piano e Orquestra, op. 31, que me despertou o interesse para procurar e descobrir a sua obra para piano", revelou Daniel Cunha à agência Lusa.

Em 1868, Alfredo Napoleão seguiu o seu irmão mais velho, Artur, igualmente pianista, para o Brasil, e, no ano seguinte, com apenas 17 anos, deu o primeiro recital, no Rio de Janeiro, abrindo uma carreira que o levou a tocar em muitas partes do país.

Além de intérprete, Alfredo Napoleão fez também obra como compositor de obras para piano e para orquestra e viveu na Argentina e no Uruguai antes de voltar à Europa, onde, além de Portugal, deu concertos em Londres e Paris.

Daniel Cunha confessou que não tem sido fácil encontrar as partituras do compositor.

"A vida de Alfredo Napoleão como pianista concertista e compositor foi muito errante, tendo obras espalhadas por vários países e muitas ainda hoje perdidas. Resolvi que o culminar dessa investigação e recolha de obras seria uma série de concertos, neste ano de 2017, visto se assinalarem os 100 anos da morte deste compositor", explicou.

O programa do concerto inclui ainda obras do compositor espanhol Enrique Granados (1867-1916), que completa este ano 150 anos, desde o seu nascimento, e que Daniel Cunha tocou no seu primeiro recital a solo, no Teatro Helena Sá e Costa, no Porto, em 2015.

Natural do Porto, Daniel Cunha estudou no Conservatório de Gaia e na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, e é doutorado em Artes Musicais pela Universidade do Kansas, nos EUA, onde foi aluno de Sequeira da Costa.

Venceu o primeiro prémio do Concurso Helena Sá e Costa em 2004 e foi considerado o melhor português no Concurso Internacional de Piano Vianna da Motta, em 2007, além de ouras distinções.

Apresenta-se regularmente em concertos a solo, de música de câmara e com orquestra, em Portugal, nos EUA e na Europa, mantendo ao mesmo tempo a atividade de professor de piano na Academia de Música de Espinho e na Escola de Música Guilhermina Suggia.

O concerto de sábado está a ser organizado pela recém-formada associação sem fins lucrativos Sonoris Causa, na qual é co-diretor o pianista Artur Pereira, que está radicado em Manchester, desde 2008.

O objetivo, explicou, é ser uma "plataforma de apoio a jovens músicos portugueses na sua promoção internacional".

Com o apoio do Instituto Camões, Daniel Cunha tem em agenda mais dois concertos até ao final deste ano, na mesma cidade, sempre com compositores portugueses de música clássica, no programa.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon