Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Pichardo melhor que Évora no triplo do meeting de Paris

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/07/2017 Pedro Rocha

Meeting de atletismo de Paris foi palco de um curioso Sporting-Benfica. O melhor foi o norte-americano Christian Taylor

O primeiro confronto Sporting-Benfica no triplo desde que Nelson Évora se mudou para Alvalade e os encarnados contrataram Pedro Pablo Pichardo deu-se neste sábado, no decorrer do meeting de atletismo de Paris, e foi favorável ao cubano.

No estádio de Charlety, na etapa parisiense da Liga de Diamante, reencontraram-se os atletas que no último mundial ficaram no pódio, e de novo o melhor foi o norte-americano Christian Taylor, agora a chegar aos 17,29 metros, um registo ainda longe do seu melhor.

Pichardo, o vice-campeão do mundo e olímpico, que assinou pelo Benfica e admite naturalizar-se português, foi quarto, com 17,05 metros, melhor marca pessoal do ano (mais um centímetro do que no recente meeting do Benfica), enquanto que Évora, na sua primeira época de leão, foi sexto, com 16,91.

Para Pichardo, este foi o regresso à elite, depois de dois anos de afastamento, por lesão e por causa do diferendo que o afastou da seleção cubana e pronto a fazer a travessia do deserto em direção à naturalização por outro país.

Para início de concurso, os 16,52 - um metro exato atrás da marca que lhe valeu o bronze em 2015 - até nem estavam mal, mas depois somou quatro nulos, a denotar nervosismo e desacerto. Viria a fazer uma marca interessante, já próxima dos 17,00 metros, em final de concurso.

Évora vem de uma boa temporada de inverno, em que se sagrou campeão da Europa indoor, em Belgrado, com 17,20.

© Fornecido por O jogo

Quem continua uns furos da concorrência é Christian Taylor. Aos 27 anos, parece encaminhar-se para mais uma época de ouro, liderando a Liga Diamante com três vitórias - Doha, Eugene e agora Paris.

Na capital francesa, bastaram-lhe os serviços mínimos para ir mais longe que o seu compatriota Will Claye, o vice-campeão olímpico, agora com 17,16, e o alemão Max Hess, o campeão da Europa do ano passado, que registou 17,07 metros.

Depois de Pichardo, classificou-se, com 16,96 metros, Alexis Copello, ex-cubano que foi colega de treinos de Pichardo e que entretanto passou a representar o Azerbaijão.

O maior desaire vai para o 10.º e último lugar do francês Benjamin Compaoré, o campeão da Europa de 2014, com 16,16.

A um mês do mundial de Londres, o ranking do ano é encabeçado por Taylor (18,11), seguido por Claye (17,91), o norte-americano Chris Bernard (17,48), o cubano Andy Diaz (17,40) e o italiano Fabrizio Donato (17,32).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon