Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

PJ cabo-verdiana incinera 1.157 quilos de cocaína apreendida em São Vicente

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/09/2017 Administrator

A Polícia Judiciária (PJ) cabo-verdiana queimou hoje os 1.157 quilos de cocaína apreendidos na semana passada num iate atracado na ilha de São Vicente, numa operação acompanhada de fortes medidas de segurança.

Em declarações à Rádio de Cabo Verde (RCV), o diretor do Departamento de Investigação Criminal da PJ do Mindelo, Anduleto Ribeiro, esclareceu que a lei diz que num prazo de cinco dias após o relatório de exame tiver concluído, junta-se ao processo, e a autoridade judiciária determina a destruição da droga.

A incineração aconteceu nos arredores da cidade do Mindelo, numa operação acompanhada de fortes medidas de segurança, com agentes da PJ, Polícia Nacional, Polícia Militar e Bombeiros Municipais.

Na semana passada, a Polícia Judiciária (PJ) de Cabo Verde apreendeu mais 1.157 quilos de cocaína num iate atracado na ilha de São Vicente.

O iate, que saiu do Brasil e chegou a São Vicente na segunda-feira, tinha como destino a Europa, e trazia a droga escondida no casco da embarcação em 1.063 pacotes.

Durante a operação, quatro homens foram detidos e ouvidos dois dias depois em Tribunal.

Inicialmente, a imprensa cabo-verdiana avançou que o tribunal da comarca de São Vicente decretou a prisão preventiva a todos os quatros homens, mas afinal apenas dois foram para a cadeia.

Outros dois ficaram a aguardar o julgamento em liberdade, sob Termo de Identidade e Residência (TIR), tendo de se apresentar todas às sextas-feiras na PJ.

O juiz considerou que os dois homens de nacionalidade brasileira "não foram detidos em flagrante delito, ou seja, na embarcação", como aconteceu os outros dois tripulantes, um francês, que é o capitão do iate, e um outro brasileiro, que estão em prisão preventiva.

A decisão do juiz de deixar dos dois implicados no caso em liberdade não agradou ao Ministério Público, que pondera recorrer, considerando que a medida é prejudicial para o decorrer da investigação e para a própria segurança dos indivíduos.

O diretor do Departamento de Investigação Criminal da PJ do Mindelo não comentou a medida à RCV, mas reconheceu que "sempre que há um arguido em liberdade constitui alguma preocupação para a judiciária".

A apreensão da tonelada de droga aconteceu dois dias após a PJ de São Vicente ter apreendido cinco quilogramas de cocaína no aeroporto internacional da ilha a um homem de nacionalidade sueca que partiu do Brasil num avião da TAP, com escala em Lisboa.

Os 1.157 quilos foi a maior quantidade de droga apreendida na ilha de São Vicente, depois dos 521 quilogramas no caso "Perla Negra", em novembro de 2014, numas das praias da ilha.

É também a segunda maior quantidade alguma vez apreendida em Cabo Verde, após a operação "Lancha Voadora" que, em 2011, culminou com a apreensão de uma tonelada e meia de cocaína em estado de elevada pureza escondida na cave de um prédio na cidade da Praia.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon