Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Polícia da Catalunha contra coordenação do Ministério do Interior para impedir referendo

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/09/2017 Administrator

A união sindical dos Mossos d'Esquadra - Copcat, a polícia da Catalunha, considerou "inadequada" e "injustificada" a decisão do Ministério Público de atribuir ao Ministério do Interior a coordenação das forças de segurança para impedir o referendo.

"Parece-nos uma medida inadequada que cria um precedente perigoso e não merecido, tendo em conta a lealdade institucional que sempre mostrou o corpo dos Mossos d'Esquadra com as autoridades judiciais, fiscais e os outros corpos de segurança", afirma o sindicato da cúpula dos Mossos em comunicado.

A Copcat assegura que a polícia catalã acatou "em todo o momento e com imparcialidade" as instruções recebidas pelos órgãos jurisdicionais e fiscais, implementadas, aliás, "com rigor".

"A melhoria constante e a eficácia demonstrada pelo corpo dos Mossos d'Esquadra em seu conjunto nos últimos anos não fundamenta esta decisão, que pode afetar a nossa trajetória de superação profissional e transformar-se num elemento desmotivador para a organização", acrescentam os policiais.

O sindicato refere que a polícia catalã goza da "plena confiança" da sociedade da Catalunha e das autoridades estatais, catalãs e municipais.

Por isso, Copcat acredita que não está justificada "a imposição" da coordenação policial para impedir o referendo de 01 de outubro.

Os dirigentes da polícia regional também expressaram o seu apoio ao Major dos Mossos, Josep Lluís Trapero, que já manifestou o seu desacordo com a decisão do Ministério Público, embora já tenha comunicado aos agentes do Corpo que será um alto cargo da secretaria de Estado da Segurança o encarregado de coordenar os dispositivos para impedir o referendo.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon