Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Polícia de Israel prende xeque que é líder de um movimento islâmico

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/08/2017 Administrator

A polícia de Israel voltou a prender hoje o xeque Raed Salah, líder da Fação Norte do Movimento Islâmico de Israel, por incitar a violência e dar apoio a uma associação ilegal, informou um porta-voz da polícia.

"A Unidade 433 da polícia israelita investigou o principal agitador do Movimento Islâmico, declarada como uma associação ilegal, sob suspeita de crimes de incitação à violência, terrorismo e apoio a objetivos ou atividades de uma associação ilegal", disse a porta-voz Luba Samri.

Salah, libertado em janeiro depois de passar nove meses na prisão por acusações semelhantes, foi preso na manhã de hoje na sua casa, em Um al-Fahem, uma cidade árabe no norte de Israel.

Os vizinhos de Salah disseram ao jornal digital Ynet que a cidade foi tomada pelos efetivos policiais e as estradas bloqueadas.

A investigação foi realizada em cooperação com a Agência de Segurança de Israel e do Gabinete do Procurador do Estado.

De acordo com a polícia, foram investigadas publicações e declarações de Salah em vários meios que, de acordo com a polícia, "suscitam a suspeita de tais delitos" relatados.

O preso será apresentado às 12:00 horas locais (10:00 horas em Lisboa) no tribunal de Rishon Lezion (no centro de Israel) e a polícia "pedirá a extensão da prisão", acrescentou Samri.

O clérigo muçulmano enfrentou acusações semelhantes no passado, esteve na prisão devido a um sermão que proferiu em 2007 em Jerusalém e, em 2010, cumpriu uma pena de prisão de cinco meses por agredir um polícia e por ter encabeçado uma manifestação violenta.

Salah também esteve na prisão entre 2003 e 2005, sob a acusação de ter financiado o grupo islamita Hamas e por ter contactado um agente dos serviços de informações iraniano.

As autoridades israelitas tornaram ilegal a Fação Norte do Movimento Islâmico, liderada por Salah, em 2015, por considerá-la uma das maiores instigadoras da onda de violência que começou na região em outubro deste ano.

Os três atacantes que mataram dois polícias na Esplanada das Mesquitas, em 14 de julho, vinham da cidade de Um al- Fahem, e o ataque provocou uma série de medidas de segurança da Esplanada por parte das autoridades israelitas, o que levou a uma onda de violência que colocou frente a frente os palestinianos e as autoridades policiais israelitas.

Desde esta última crise, as autoridades israelitas aumentaram o controlo sobre os cidadãos de Um al-Fahem que visitam a Esplanada das Mesquitas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon