Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Polícia moçambicana deteve suspeitos de fabricar utensilios com material electrico roubado a EDM

Logótipo de O Jogo O Jogo 31/07/2017 Administrator

A Polícia de Manica, centro de Moçambique, deteve quatro pessoas suspeitas de roubo e apreendeu dezenas de utensílios domésticos feitos na base de material elétrico retirado à empresa estatal Eletricidade de Moçambique (EDM), disse hoje a corporação.

Um serralheiro, um latoeiro e dois vendedores de utensílios domésticos, produzidos na base de alumínio fundido, são indiciados pela Polícia de serem os arquitetos de um esquema fraudulento de retirada de cantoneiras e cabos elétricos nas linhas de transportes de energia, para a produção de panelas, frigideiras e moageiras, disse Leonardo Colher, chefe das relações publicas no Comando da Polícia de Manica.

Na operação que incidiu em residências dos indiciados e nos dois principais mercados de Chimoio, a capital de Manica, prosseguiu Leonardo Colher, a Polícia apreendeu vário material elétrico processado, que inclui 80 panelas, 13 frigideira e três moageiras de fabrico artesanal, para transformar grãos de cereais em farinha.

Igualmente apreendeu 15 cantoneiras, nove rodas de alumínio, cabos elétricos, de cobre e alumínio e centenas de parafusos, roubados nas linhas de transporte de energia, sobretudo no distrito de Manica.

"A Polícia desenhou um plano operativo que visava apreender cabos elétricos, cantoneiras e diversos produtos reciclados roubados a EDM" precisou Leonardo Colher, acrescentando que durante as investigações foi identificada uma residência onde era usado e transformado o material em diversos utensílios, além de focos de venda da produção.

A Polícia justifica a operação como forma para desencorajar o roubo, uso e destruição do material elétrico da empresa EDM, uma situação que esta a prejudicar a empresa e o desenvolvimento, ao retardar a expansão da rede e a deixar de eletricidade milhares de clientes.

"A operação vai continuar, porque o que pretendemos é eliminar esta prática", vincou Leonardo Colher no habitual "brefing" a imprensa.

Entretanto, a estatal Eletricidade de Moçambique (EDM), avançou que a vandalização de torres de transporte de energia e roubo de cabos elétricos, além de transformadores de corrente, para extração de óleo das maquinas, provocou um prejuízo de oito milhões de meticais (100 mil euros) a empresa no primeiro semestre de 2017.

Em declarações à Lusa, Lucas Josse, técnico da EDM, disse que além das perdas elevadas na empresa, pelo duplo investimento na reposição do material e queda de receitas, devido as restrições na distribuição de energia, a expansão da rede fica comprometida com os roubos.

"É um prejuízo para a instituição na medida que representa grandes valores perdidos através dos roubos, além do impacto negativo para a sociedade por retardar a extensão da rede elétrica" disse Lucas Josse, adiantando que os roubos têm colocado as comunidades em perigo, por exposição a eletrocussão.

A empresa vai incinerar todos os utensílios apreendidos pela policia, feita na base de alumínio fundido, por considerar inadequado para uso doméstico, pelo processamento artesanal do alumínio, que consumido pode se tornar um atentado contra a saúde.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon