Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

PONG-Pesca quer Governo a seguir recomendações para a pesca da sardinha

Logótipo de O Jogo O Jogo 20/10/2017 Administrator

Redação, 20 out (Lusa)- A Plataforma de Organizações Não Governamentais sobre a Pesca (PONG-Pesca) incitou hoje o Governo a seguir as recomendações científicas de suspender a pesca da sardinha em 2018, defendendo que a frota do cerco deverá ser direcionada para outras espécies.

"A PONG-Pesca apela ao Governo a seguir as recomendações científicas, articulando as medidas de recuperação e gestão com Espanha", sublinhando a "necessidade" de se avançar para um "plano de recuperação nos próximos anos", lê-se no comunicado, a que a agência Lusa teve acesso.

Para a organização, o parecer do Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES, na sigla em inglês) "evidencia a má situação do 'stock' da sardinha ibérica e deve ser seguida para dar as melhores hipóteses possíveis de recuperação, juntamente com a adoção de outras medidas de gestão e proteção da sardinha e dos habitats que lhe são essenciais".

Neste sentido, apesar de reconhecer os impactos negativos para o setor da pesca, transformação e comercialização do pescado, a PONG-Pesca defendeu que a frota do cerco deverá diversificar a sua atividade para a captura de outras espécies e até para o turismo, até que o 'stock' de sardinha recupere e se possa voltar a ter uma pesca sustentável.

A pesca da sardinha deverá ser proibida em 2018 em Portugal e Espanha, face à redução acentuada do 'stock' na última década, refere o parecer do ICES hoje divulgado.

"Deve haver zero capturas em 2018", recomenda o ICES, entidade científica consultada pela Comissão Europeia para dar parecer sobre as possibilidades de pesca, com base nos seus estudos dos 'stocks'.

Segundo aquele organismo, o 'stock' de sardinha tem vindo a decrescer de 106 mil toneladas em 2006 para 22 mil em 2016.

Contudo, aponta para vários cenários de capturas, estabelecendo como limite 24.650 toneladas.

Já depois da divulgação do parecer, a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, afirmou que o Governo vai propor que os limites de captura de sardinha para Portugal e Espanha para 2018 sejam entre 13,5 e 14 mil toneladas.

Já em 2016, o organismo científico recomendava que Portugal devia parar por completo a pesca da sardinha durante um período mínimo de 15 anos para que o 'stock' de sardinha regresse a níveis aceitáveis.

Na sequência do parecer, a Comissão Europeia esclareceu que Bruxelas não tomou qualquer decisão sobre a pesca da sardinha.

Portugal e Espanha rejeitaram o cenário de proibição de pesca da sardinha, e acordaram, no respetivo plano de gestão, fixar em 23 mil toneladas o limite de capturas anual.

Portugal divide a quota de pesca de sardinha com Espanha, autorizada a pescar o restante do limite de 17 mil toneladas.

A PONG-Pesca é constituída pela Associação Portuguesa para o Estudo e Conservação dos Elasmobrânquios (APECE), Grupo de Estudos do Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), Liga para a Protecção da Natureza (LPN), Observatório do Mar dos Açores (OMA), Associação Nacional de Conservação da Natureza (Quercus), Associação de Ciências Marinhas e Cooperação (Sciaena), Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e WWF Portugal -- World Wildlife Fund for Nature.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon