Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Populações no Alentejo abastecidas com autotanques devido à seca mas fornecimento está garantido - Governo

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/08/2017 Administrator

Localidades de cinco concelhos do Alentejo estão a ser abastecidas com autotanques devido à seca, mas não são previsíveis "grandes problemas" de abastecimento, disse hoje à Lusa o secretário de Estado do Ambiente.

A falta de água devido à seca severa e extrema já afeta cerca de 1.500 pessoas, que eram servidas por captações subterrâneas, embora não sintam o problema diretamente devido ao abastecimento dos reservatórios com autotanques, precisou Carlos Martins em declarações à Lusa.

Para discutir o problema da seca e medidas a tomar o secretário de Estado reuniu-se hoje em Castro Verde com autarcas, associações de regantes, Agência Portuguesa do Ambiente, direções geral e regional da Agricultura, Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e Águas de Portugal.

No final da reunião, Carlos Martins disse à Lusa que uma das decisões saída da reunião foi a de fazer um estudo rigoroso sobre a biomassa piscícola para que, numa reunião que vai realizar-se entre 15 a 20 de agosto, se possa decidir que quantitativos de peixe é preciso retirar e em que albufeiras é necessário faze-lo.

Na reunião de hoje os responsáveis, explicou também, centraram-se nomeadamente na situação das albufeiras da Vigia (Redondo) e do Monte da Rocha (Ourique), tendo decidido em relação à primeira, com uma "situação muito mais crítica", estabelecer um valor mínimo de armazenamento, que uma vez ultrapassado implica restrições imediatas de consumo de água para uso agrícola.

A bacia do Sado e o Alentejo são as zonas mais afetadas pela seca, embora segundo Carlos Martins nem nessas zonas está em causa o abastecimento público de água.

"Não antecipamos grandes problemas porque estamos a assegurar capacidade de reserva para ultrapassar o que pode ser ainda dois, três meses de uma situação crítica", disse à Lusa.

Quase 79% de Portugal continental encontrava-se em julho em situação de seca severa e extrema, segundo o boletim climatológico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera hoje tornado público.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon