Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Portugal diz que "há muito a fazer" para melhorar visibilidade da CPLP

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/07/2017 Administrator

O Governo português considera que "há muito trabalho a fazer" para tornar a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) mais conhecida, insistindo na facilitação da mobilidade dos cidadãos entre os nove Estados-membros e na promoção do intercâmbio académico. Os chefes da diplomacia da organização lusófona reúnem-se esta quinta-feira em Brasília para a XXII reunião ordinária dos ministros da CPLP, que decorre sob presidência brasileira, sob ...

O Governo português considera que "há muito trabalho a fazer" para tornar a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) mais conhecida, insistindo na facilitação da mobilidade dos cidadãos entre os nove Estados-membros e na promoção do intercâmbio académico.

Os chefes da diplomacia da organização lusófona reúnem-se esta quinta-feira em Brasília para a XXII reunião ordinária dos ministros da CPLP, que decorre sob presidência brasileira, sob o tema a "Agenda 2030: Avanços e Desafios".

Em declarações à Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros português destacou que o encontro terá "uma agenda bastante rica", aprovando o roteiro para aplicar a nova visão estratégica da organização, aprovada na cimeira de Brasília, em novembro passado, e que traça as linhas de atuação da CPLP para a próxima década.

Dos pontos que estarão em debate, Portugal destaca a "aproximação à sociedade civil, designadamente ao melhor uso da figura do observador consultivo" (organizações não governamentais), considerou Augusto Santos Silva.

Além disso, o ministro defendeu que "há muito trabalho a fazer para tornar a marca CPLP mais conhecida e a imagem da CPLP mais valorizada nas diferentes sociedades".

Nesse âmbito, Santos Silva recordou duas das medidas previstas na visão estratégica defendidas por Portugal: o desenvolvimento de programas de intercâmbio académico, e a melhoria das condições de mobilidade e circulação interna à CPLP.

Portugal e Cabo Verde apresentaram aos restantes membros da organização "uma proposta concreta para a melhoria das condições de mobilidade", lembrou.

Além disso, os governantes terão oportunidade para debater o cumprimento da Agenda 2030 - aprovada pelas Nações Unidas e que define os objetivos de desenvolvimento sustentável -, em particular "a importância que a CPLP pode ter na agenda do desenvolvimento sustentável", destacou Santos Silva.

A presidência brasileira da CPLP, a decorrer até 2018, escolheu precisamente a Agenda 2030 como tema do seu mandato, "com rara felicidade", comentou o ministro português.

Os nove membros da CPLP deverão ainda aprovar o Plano de Ação de Díli, para a promoção da língua portuguesa, que refere "a necessidade de apoiar a disseminação do português em contextos multilingues, com referência específica a Timor-Leste e Guiné Equatorial", referiu ainda.

Santos Silva destacou outro "documento bastante importante", que "estabelece o reforço da cooperação com os observadores associados": Geórgia, Hungria, Japão, Ilhas Maurícias, Namíbia, Eslováquia, República Checa, Senegal, Turquia e Uruguai.

Destes 10 países, oito conquistaram este estatuto a partir de 2014, o que mostra que "o interesse por esta figura é crescente", comentou.

Por fim, os governantes aprovarão também o Plano de Ação 2016-2026 para a promoção da cooperação económica e empresarial na CPLP.

A CPLP, que assinalou esta segunda-feira 21 anos de existência, é composta por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon