Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Portugal Open supera problemas para as 'bodas de prata'

Sportinveste 25/04/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia
Portugal Open supera problemas para as 'bodas de prata' © Sportinveste Multimédia Portugal Open supera problemas para as 'bodas de prata'

A 25.ª edição do Portugal Open em ténis começa oficialmente na segunda-feira depois de uma série de “solavancos” que colocaram em risco as “bodas de prata” do torneio organizado por João Lagos.

Para este ano, o diretor do único torneio português dos circuitos profissionais masculino e feminino sentiu grandes dificuldades para reunir os cerca de 3,5 milhões de euros necessários para organizar a prova e só a 06 de março garantiu as condições para avançar.

Nesse mesmo dia, João Lagos reconhecia que “nunca o Portugal Open esteve tão em risco como neste ano”, admitindo que acabava de “acordar de um coma profundo”.

Os primeiros sinais de alerta foram dados no final de janeiro, a cerca de três meses do início da competição, quando o diretor do torneio admitiu que não estava a conseguir reunir apoios e patrocínios.

O alarme originou uma reunião, a 6 de fevereiro, com o secretário de Estado do Desporto e Juventude, Emídio Guerreiro, que terminou com a promessa de o torneio ser reconhecido como evento de interesse público, estatuto formalizado duas semanas depois em despacho publicado em Diário da República.

No entanto, só outras duas semanas depois, a 6 de março, foi confirmada a realização do 25.º Portugal Open, uma garantia que não serenou em absoluto a organização, a cargo da João Lagos Sports, empresa alvo de, pelo menos, dois pedidos de insolvência.

João Lagos confirmou as ações judiciais, desdramatizou e reiterou a realização do Portugal Open, frisando que a sua empresa estava a cumprir um Plano Especial de Revitalização (PER), que salvaguardava a insolvência.

“Requeremos um PER, um mecanismo que o Estado criou para ajudar a salvar empresas, que demonstra e demonstrará que a empresa tem viabilidade e que vale a pena ser salva, ao contrário [do que pensa] quem mete insolvências contra nós. Se a empresa fechar, acabou e ninguém recebe nada”, disse na altura João Lagos à agência Lusa.

O diretor do Portugal Open acusou os credores de quererem “matar” a João Lagos Sports, mas o torneio esquivou-se às “exéquias” para assinalar um quarto de século de vida.

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon