Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Portugal produz tecnologia mais avançada de identificação química com uso na saúde

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/09/2017 Administrator

Portugal integra um consórcio europeu que vai desenvolver, a partir de 2018, uma tecnologia mais avançada de identificação e caracterização química, com aplicações na saúde e na indústria alimentar ou farmacêutica, indicou hoje o coordenador da equipa nacional.

O projeto, a concretizar até 2021 com um financiamento comunitário de cinco milhões de euros, consiste em aperfeiçar a tecnologia de espectrometria de massa, permitindo determinar a massa de uma molécula de um composto químico de forma mais precisa e rápida, e assim identificar e caracterizar melhor uma substância.

"É uma tecnologia que tem mais resolução, permite determinar a massa molecular com um enorme rigor, ver aquilo que outras [tecnologias] não veem", afirmou à Lusa o líder da equipa portuguesa no consórcio europeu, Carlos Cordeiro, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

O docente adiantou que a tecnologia será útil para projetos de investigação em curso na faculdade, como a identificação de alterações nas proteínas associadas à doença dos pezinhos, podendo ser igualmente utilizada na caracterização de novas drogas sintéticas e explosivos e na descrição da composição química do vinho ou de um medicamento.

O consórcio inclui, além da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, nove universidades de França, Reino Unido, Itália, República Checa, Bélgica, Alemanha, Finlândia e Rússia e três empresas, como a principal fabricante de espectrómetros de massa.

Portugal faz parte da rede europeia de espectrometria de massa, que agrega 15 a 20 laboratórios, segundo Carlos Cordeiro.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon