Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Próximo é chegar à seleção e fazer uma história bonita"

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/05/2017 Alcides Freire

Felipe já cumpriu o objetivo de se afirmar na Europa e quer dar agora o próximo passo: chegar à seleção do Brasil. Em Portugal, correu tudo até melhor do que imaginou

© Fornecido por O jogo

O FC Porto chega a esta fase da época com 25 golos sofridos em 48 jogos e é uma das equipas menos batidas da Europa. Felipe é um dos que mais têm contribuído para esta eficácia e tem dado umas dicas ao treinador do Corinthians, Fábio Carille, com quem trabalhou na época passada. Na altura, Carrille era treinador adjunto. "O Carille é uma pessoa que sempre me apoiou e me ajudou a corrigir muita coisa. Devo-lhe muito. Ultimamente falamos sempre sobre a nossa linha defensiva, que funciona muito bem, que mantém um padrão correto. Ele diz-me que tem acompanhado e admira o nosso sistema", comentou o Xerife, em declarações ao "Lance", garantindo que o modelo de Nuno Espírito Santo é uma referência no clube de São Paulo.

Felipe explicou as diferenças que mais notou entre a forma de defender em Portugal e no Brasil: "O que muda mesmo é a velocidade do jogo. Aqui em Portugal é mais rápido, o campo está sempre mais molhado, é obrigatório. No Brasil o jogo é mais corrido. Mas, em termos de treino, não há muita diferença. Foi até onde senti menos a mudança, porque a linha defensiva é igual em relação ao posicionamento, só tive de fazer alguns ajustes nas bolas paradas."

O central acredita que foi a velocidade do jogo que o condicionou no início da época e levou à má abordagem de alguns lances. Isso valeu-lhe dois autogolos, um dos quais contra o Roma, no play-off da Champions. "No começo, pela ansiedade de vir para a Europa, estava com mais receio, mas a adaptação à cultura portuguesa acabou por ser muito rápida. A qualidade e a velocidade do futebol europeu são um pouco diferentes, mas senti que encaixei tudo antes do primeiro jogo do campeonato. Vinha de uma escola diferente, a do Tite, e o nosso estilo de jogo era outro, mas hoje sinto-me completamente adaptado ao jogo do FC Porto", acrescentou.

A época correu bem ao central, que espera pela hora de representar o Brasil. Amanhã, há uma convocatória para os particulares com a Austrália e a Argentina: "O meu primeiro objetivo era chegar à Europa e esse já alcancei. O próximo é chegar à Seleção e fazer uma história bonita. Estou a trabalhar para isso, a aproveitar a minha experiência na Europa. Tem sido muito bom. Tenho de trabalhar forte no FC Porto para tudo dar certo. Só tenho de trabalhar para poder realizar esse sonho", reconheceu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon