Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

PR moçambicano defende massificação de engenheiros para produção de soluções

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/09/2017 Administrator

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, defendeu hoje a massificação de engenheiros em Moçambique, considerando que muitos problemas que o país atravessa poderiam ser solucionados pela classe.

"Muitos problemas de pobreza que assolam o povo moçambicano carecem de soluções que podem ser trazidas pela intervenção da engenharia", observou o chefe de Estado moçambicano.

Filipe Nyusi falava, em Maputo, durante a sessão solene do 8.º Congresso Luso-Moçambicano e 5.ª Congresso de Engenharia de Moçambique.

Para Nyusi, a atualização dos programas e currículos nas faculdades de engenheira é uma das principais condições para o desenvolvimento da área, que é agora incumbida a responsabilidade estar atenta à crescente necessidade de urbanização das cidades moçambicanas.

"O crescimento e desenvolvimento de uma sociedade é reflexo do lugar e papel que se atribuiu ao conhecimento científico", afirmou o Presidente moçambicano, acrescentando que o país precisa de mais engenheiros.

"É do nosso pleno interesse a massificação e uso sustentável da engenharia na busca de soluções em prol do aumento da produção e produtividade e alívio da pobreza no nosso país", frisou.

No atual contexto, de acordo com o chefe Estado moçambicano, os engenheiros são chamados a posicionar-se "na linha da frente" na criação de oportunidades para a promoção da cooperação, num processo que deve merecer o apoio do setor privado.

"Os nossos engenheiros só podem orgulhar-se do título que ostentam se forem a fonte das soluções dos desafios moçambicanos", concluiu Filipe Nyusi, que engenheiro de profissão.

O 8.º Congresso Luso-Moçambicano e 5.ª Congresso de Engenharia de Moçambique junta profissionais moçambicanos e portugueses desde terça-feira na capital moçambicana.

Entre os temas que compõem o programa, destaca-se "o ensino da engenharia e tecnologias de informação" e a edificação de "obras públicas e infraestruturas de transporte, bem como regeneração urbana e habitação em áreas informais".

O evento está a ser organizado pelas ordens de engenheiros de Portugal e Moçambique, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e Faculdade de Engenharia da Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon