Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Presidente da Câmara do Porto admite atrasos no avanço da linha Rosa do metro

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/07/2017 Administrator

O presidente da Câmara do Porto admitiu hoje que a construção da linha Rosa do metro na cidade vai ter "atrasos", porque o Ministério das Finanças ainda não autorizou "a adjudicação dos estudos preliminares" para elaborar o projeto.

"Temos vindo a falar com a empresa sobre o projeto e li hoje a informação de que a adjudicação dos estudos preliminares está dependente do Ministério das Finanças. Prevejo que, por isto, vá haver atrasos", afirmou o independente Rui Moreira na reunião camarária pública, em resposta a perguntas feitas sobre o assunto pelo vereador do PS Manuel Correia Fernandes.

A expansão da linha de metro do Porto, com a ligação entre a Casa da Música, na Boavista, à estação ferroviária de São Bento, na Baixa, tem um custo estimado de 181 milhões de euros e foi apresentada em fevereiro, com uma previsão do arranque das obras em 2019 e o lançamento dos concursos públicos da empreitada em maio de 2018.

De acordo com o Jornal de Notícias de hoje, a empresa Metro do Porto "precisa de autorização do Ministério das Finanças para lançar o concurso de execução dos projetos" das novas linhas aprovadas para o Porto e para Gaia (onde está em causa o prolongamento da linha Amarela a Vila d' Este).

Aquele diário escreve que se estima que "seja necessário um ano para elaborar os projetos das duas linhas e fazer aprovar os estudos de impacto ambiental", etapa que deve ficar concluída em 2018 para, depois, "selecionar os empreiteiros que realizarão as obras".

Segundo o projeto apresentado em fevereiro, a nova linha Rosa recupera parte dos traçados da denominada Linha Circular, anunciada em 2007, e da Linha do Campo Alegre, implicando a construção de novas quatro paragens: Casa da Música (com ligação subterrânea pedonal à atual estação), Galiza, Hospital de Santo António e Estação de S. Bento (com ligação subterrânea à estação ferroviária).

Hoje, na reunião camarária, Rui Moreira explicou que, nas conversas que tem tido com a empresa Metro do Porto sobre o projeto, tem sido abordada a necessidade de compatibilizar a nova estação na zona da Casa da Música com eventuais "futuras caves" do El Corte Inglés.

No fim da sessão, o autarca esclareceu aos jornalistas que a empresa espanhola mantém a titularidade do espaço situado entre a avenida de França e a rua 5 de Outubro, onde o anterior executivo camarário, liderado pelo social-democrata Rui Rio, recusou a instalação de uma grande superfície.

Moreira assegurou, contudo, que a cadeia espanhola não apresentou na Câmara nenhum novo projeto para a instalação de um espaço El Corte Inglés naquela zona.

Em outubro de 2014, fonte do gabinete de Relações Externas do grupo espanhol em Portugal disse à Lusa que a empresa mantinha o interesse em se instalar na zona da Boavista, no Porto, no terreno em relação ao qual detém "um contrato de aquisição do direito de superfície".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon