Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Presidente da ERC teme "psicopatia do jornalismo" devido à "proletarização" do setor

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/10/2017 Administrator

O presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) teme que o jornalismo se torne numa "psicopatia do quotidiano" devido ao rumo que está a tomar, com "a proletarização" dos jornalistas.

"Por um lado, assistimos à proletarização do jornalismo e, por outro lado, à profissionalização das fontes. A profissionalização das fontes juntamente com a proletarização dos jornalistas acaba com os editores e transforma o jornalismo numa atividade completamente desenquadrada, desregulada, com falta de rigor", afirmou Carlos Magno.

Falando na conferência 'Liberdades de imprensa e de expressão: que papéis, que efeitos, que fronteiras e limites?", promovida pelo Instituto Miguel Galvão Teles em Lisboa, o presidente do regulador dos media notou que, "quando um jornalista perde o seu código deontológico é como se o homem perdesse o seu superego".

"E sabemos o que acontece quando alguém perde o seu superego, fica psicopata, e eu não gostava que o jornalismo se transformasse numa psicopatia do quotidiano", acrescentou o responsável.

Aludindo ao tema do encontro, Carlos Magno referiu que "a liberdade de expressão em Portugal não é um problema, mas pode ser, o risco é permanente".

Isto porque "hoje o poder editorial é aquele em que se misturam todos os outros, o económico, judiciário e o político", concretizou.

Carlos Magno assinalou que vê a liberdade de expressão "como a virgindade: ou há ou não há".

Criticou também "a fatalidade" do jornalismo, com a falta de verificação das notícias, considerando que, por vezes, o jornalista é "conservador e preguiçoso".

Quanto a desafios futuros, defendeu que "o jornalista tem de saber usar as novas tecnologias e não deixar-se vencer por elas".

A agência Lusa questionou Carlos Magno no final da sua intervenção sobre a polémica envolta do negócio de compra da Media Capital pela Altice, mas o presidente da ERC escusou-se a comentar, dizendo que não falará sobre o assunto "nos próximos tempos".

Também presente na conferência, a presidente do Sindicato dos Jornalistas, Sofia Branco, referiu que a liberdade de expressão é "exercida de forma precária", já que "esta classe trabalha hoje em condições de precariedade como nunca antes", com salários baixos e sem vínculos profissionais.

Outro fator por si elencado foi o da autocensura, que leva o jornalista a ter "medo de fazer escolhas porque podem afrontar o colega do lado, quem dá ordens, o administrador da própria empresa ou ainda o poder político e económico".

"Não é uma profissão totalmente exercida com independência e acho que isso é preocupante", alertou a sindicalista.

Para Sofia Branco, o contexto do jornalismo mudou nos últimos anos com a introdução de novas tecnologias "e os jornalistas não receberam formação para se adaptar".

Uma dessas mudanças centrou-se na relação com o público, já que "agora os cidadãos participam no processo", sendo até os próprios a levar notícias aos jornalistas.

"Se calhar faz sentido, quando pensarmos em novas leis e novos códigos, introduzirmos esses fatores", sugeriu Sofia Branco, vincando que "não existe jornalismo cidadão" e, por isso, os conceitos devem ficar claros.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon