Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Presidente da UEFA garante que não cederá a chantagens para criar liga fechada

Logótipo de LusaLusa 05/04/2017 Alexandra Oliveira

Helsínquia, 05 abr (Lusa) – O presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, descartou hoje a criação de “uma liga fechada” para agrupar os maiores clubes europeus e reiterou que não cederá a chantagens.

MARKKU OJALA/COMPIC © EPA / MARKKU OJALA MARKKU OJALA/COMPIC

“A certos clubes, digo em voz baixa, mas com calma, firmeza e determinação: não haverá uma liga fechada. Não se insere nos nossos ideais, nem nos nossos valores”, afirmou Ceferin, durante o 41.º congresso da UEFA, que decorre em Helsínquia.

O esloveno garantiu que a UEFA “não vai ceder à chantagem de algumas ligas, que pensam que podem manipular as ligas mais pequenas e ditar as suas leias às federações, porque se sentem poderosas pelo dinheiro que geram”.

Na semana passada, a UEFA e a Associação de Clubes Europeus (EAC) chegaram a acordo para a reforma das competições europeias de clubes, colocando assim, para já, termo ao projeto de criação de uma superliga.

“Estamos felizes em permanecer sob a égide da UEFA e em participar na reforma das competições, que é um desejo nosso. Como sequência deste acordo, não há nenhuma discussão sobre o tema Superliga", referiu Karl-Heinz Rummenigge, presidente da EAC, no final de uma reunião com o diretor de competições da UEFA.

A hipótese de criação de uma superliga europeia, concorrente das competições da UEFA, tem surgido de forma recorrente desde o ano 2000, impulsionada por alguns dos principais clubes europeus.

AO // NF

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon