Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Presidente do Brasil rebate acusação de corrupção e diz que "facínoras roubam do país a verdade"

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/09/2017 Administrator

O Presidente do Brasil, Michel Temer, divulgou hoje um comunicado afirmando que "facínoras roubam do país a verdade", um dia depois de ser apontado pela polícia como um suposto integrante de um grupo de políticos envolvidos em corrupção.

Sem citar diretamente as conclusões de um relatório da polícia federal, que indicou que Temer e outros membros do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) fariam parte de uma organização criminosa, a nota da presidência, assinada pela assessoria de comunicação do Palácio do Planalto, diz que "garantias individuais estão a ser violentadas, diuturnamente, sem que haja a mínima reação".

"Chega-se ao ponto de se tentar condenar pessoas sem sequer ouvi-las. Portanto, sem se concluir investigação, sem se apurar a verdade, sem verificar a existência de provas reais", acrescenta.

No comunicado a presidência do Brasil acusa ainda os colaboradores das investigações sobre corrupção que mencionam Michel Temer de mentir.

Uma investigação da polícia federal brasileira concluída na última segunda-feira apontou que há indícios de que o Presidente e outros integrantes da cúpula do PMDB mantinham uma estrutura organizacional com o objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública.

Segundo o relatório das autoridades policiais, membros proeminentes do PMDB, incluindo Michel Temer, cometeram crimes como corrupção ativa, passiva, branqueamento de capitais, fraude em licitação e evasão de divisas.

Além de abalar a imagem do Governo, este relatório policial será usado na formulação de uma nova denúncia do procurador-geral, Rodrigo Janot, contra Michel Temer.

O chefe de Estado já escapou de uma denúncia de corrupção - que não teve autorização do Congresso para prosseguir -, mas continua a ser investigado pelo Ministério Público brasileiro.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon