Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Presidente do COP defende penas mais duras para agressões no desporto

Logótipo de LusaLusa 06/04/2017 Nuno Ferrão

Lisboa, 06 abr (Lusa) – O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) defendeu hoje penas duras para casos como o da agressão de um jogador do Canelas a um árbitro na Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto.

João Relvas/LUSA © LUSA / João Relvas João Relvas/LUSA

Em declarações à Lusa à margem da celebração do Dia Internacional do Desporto para o Desenvolvimento e Paz, cujo evento teve lugar na sede do COP, em Lisboa, José Manuel Constantino realçou a “obrigação de resgatar a imagem” do desporto, explicando que a resolução deste problema “não está apenas na repressão”.

“Acho que são precisas penas mais duras, mas creio que o problema é muito mais vasto e exige medidas de exigência e rigor, que não são compatíveis com um quadro de comportamentos que tradicionalmente assolam o desporto nacional”, afirmou.

Em causa está a agressão do jogador Marco Gonçalves ao árbitro José Rodrigues, na partida de domingo entre o Rio Tinto e o Canelas. O futebolista, entretanto dispensado pelo clube gaiense, deu uma joelhada na cabeça do árbitro, provocando uma tripla fratura do nariz.

“O desporto tem uma obrigação social, não pode abandoná-la. Por muitas dificuldades que haja e por tudo quanto possamos lamentar, naturalmente, temos a obrigação de não atirar a toalha ao chão e afirmar, através de medidas concretas, essa obrigação social”, acrescentou.

No entender de José Manuel Constantino, o “problema é muito mais profundo do que a simples violência física” e merece uma reflexão abrangente de diferentes agentes e instituições desportivas.

“Tem origens em procedimentos anteriores e sobre os quais entendo que a sociedade e os agentes desportivos devem refletir e tomar medidas cautelares que me parece que a situação exige. Sem prejuízo de reconhecer que se pode e deve agravar o quadro de sanções”, concluiu.

JYGO // NF

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon