Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Primeira-ministra britânica assegura que fará frente a qualquer conspiração

Logótipo de O Jogo O Jogo 08/10/2017 Administrator

A primeira-ministra britânica, Theresa May, assegurou que fará frente a qualquer 'complot' para a depor, depois de uma semana durante a qual foi questionada a sua liderança no seio do Partido Conservador.

Numa entrevista ao The Sunday Times, a líder 'tory' indicou que "não fugirá ao desafio" que poderiam apresentar os críticos à sua gestão e simultaneamente deixou entender que poderá remodelar o Governo nas próximas semanas para eliminar os alegados conspiradores.

Apesar de ter apelado nos últimos dias para se apoiar May, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, está entre os alegados conspiradores.

Segundo o The Sunday Times, a dirigente conservadora tenciona reformular o executivo depois do próximo Conselho Europeu de 19 e 20 de outubro e baixar o peso político do chefe da diplomacia britânica.

"Nunca fugi um desafio. Esse é o meu estilo e não vou mudar agora. Sou a primeira-ministra e o meu trabalho obriga-se a ter sempre os melhores no meu gabinete, a aproveitar ao máximo o grande talento disponível no meu partido", afirmou May quando questionado sobre o futuro de Johnson.

O The Sunday Times indicou que três ministros debateram na passada quinta-feira a possibilidade de forçar a demissão de May antes das próximas eleições, enquanto outros membros do Governo preferem uma "transição ordenada".

Mesmo assim, cerca de metade do executivo quer que May deixe o poder nos próximos dois anos, adiantou o The Sunday Times.

Neste clima de tensão, o ex-presidente honorário do Partido Conservador Grant Shapps disse na sexta-feira que cerca de 30 deputados querem expulsar May do cargo, apesar de serem necessárias assinaturas de 15% do grupo parlamentar (48 deputados) para o concretizar.

Os deputados críticos de May consideram que a líder 'tory' carece de credibilidade e autoridade depois de ter perdido a maioria absoluta nas eleições gerais de 8 de junho, que a própria convocou precisamente com o objetivo de reforçar o mandato.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon