Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

PS francês substitui secretário-geral demissionário por direção com 28 membros

Logótipo de O Jogo O Jogo 30/09/2017 Administrator

O Partido Socialista (PS) francês, que este ano perdeu a presidência e o controlo do parlamento, decidiu hoje substituir o secretário-geral demissionário, Jean-Christophe Cambadélis, por uma direção coletiva composta por 28 membros.

Reunido em Paris, o conselho nacional do partido propôs manter esta fórmula até ao congresso, que se realizará em fevereiro ou março próximos.

Um dos elementos desta direção coletiva é o senador e conselheiro da região parisiense, Rachid Temal, responsável pela coordenação e representante legal da formação.

"Há que ir ao encontro dos militantes para que o partido possa encontrar uma estratégia, uma identidade, para que seja visto pelos eleitores como a força das esquerdas que é capaz de reconquistar o poder", disse o deputado e antigo ministro da Agricultura Stéphane Le Foll.

Em agosto passado, o PS tinha proposto a realização de debates para que se recolhessem ideias para a refundação do partido.

O Partido Socialista, que governou durante 19 anos, nos mandatos de François Mitterrand (1981-1995) e François Hollande (2012-2017) desde que começou a V República, em 1958, sofreu um tombo nas duas eleições -- presidenciais e legislativas -- deste ano.

O candidato socialista, Benoît Hamon, da ala mais à esquerda, apenas conseguiu seis por cento dos votos na primeira volta das presidenciais de abril.

Nas legislativas de junho, o partido perdeu o controlo do parlamento e passou de 280 a cerca de 30 lugares.

Muitos socialistas atribuíram o revés ao consideram ter sido a governação "liberal" de Hollande, enquanto outros militantes o justificaram com a crise existencial que atravessa a social-democracia na Europa.

Prova da crise é a decisão de vender a histórica sede na rua Solferino, em Paris, operação com que esperam arrecadar vários milhões de euros para compensar a quebra das ajudas públicas devido à queda eleitoral.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon