Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

PSD: Mira Amaral apoia Rio por ter perfil adequado a "primeiro-ministro de Portugal"

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/10/2017 Administrator

O antigo ministro da Indústria Mira Amaral manifestou hoje apoio a Rui Rio na disputa pela liderança do PSD, por considerar que "tem o perfil" adequado a um futuro primeiro-ministro "de todo o país" e não apenas de Lisboa.

"Sou amigo do doutor Rui Rio há muitos anos, apreciei os seus três mandatos na Câmara do Porto, em que mostrou grande coragem politica, um grande 'savoir faire' na gestão da coisa pública e uma grande competência e rigor", afirmou Luís Mira Amaral, em declarações à Agência Lusa.

Para o antigo ministro de Cavaco Silva, essas "são qualidades muito importantes para alguém ser primeiro-ministro", salientando que, "quando o PSD está a escolher um líder, está também a escolher um provável futuro primeiro-ministro de Portugal".

"Para mim, o perfil do doutor Rui Rio coaduna-se com as exigências que se colocam a um primeiro-ministro de Portugal e com o conhecimento de quem não será um primeiro-ministro de Lisboa, mas um primeiro-ministro de todo o país", defendeu.

Questionado se se trata de uma crítica ao outro candidato à liderança do PSD, Pedro Santana Lopes, Mira Amaral escusou-se a entrar nesse campo, dizendo querer apenas salientar as razões que o levam a manifestar apoio a Rui Rio.

Luís Mira Amaral, engenheiro, foi primeiro ministro do Trabalho e, depois, da Indústria e Energia, nos governos de Cavaco Silva. Entre 1995 e 1999, foi deputado à Assembleia da República, tendo desempenhado desde então vários cargos de gestor na banca e em outras empresas.

O PSD escolherá o seu próximo presidente em 13 de janeiro em eleições diretas, com Congresso em Lisboa entre 16 e 18 de fevereiro.

Até agora, anunciaram-se como candidatos à liderança do PSD o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.

O atual presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, já disse que não se recandidata ao cargo que ocupa desde 2010.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon