Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

PSD: Passos promete que não se vai calar "para sempre" mas não vai "andar a rondar"

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/10/2017 Administrator

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, assegurou hoje que "não se vai calar para sempre" mas também "não irá ficar a rondar" a futura liderança do PSD, seja ela qual for, e à qual prometeu lealdade. "O facto de não me recandidatar à liderança do PSD não significa que me vá calar para sempre, não deixarei de lutar pelo meu país da melhor maneira que souber", prometeu, numa passagem muito aplaudida da sua intervenção perante o Conselho Nacional, ...

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, assegurou hoje que "não se vai calar para sempre" mas também "não irá ficar a rondar" a futura liderança do PSD, seja ela qual for, e à qual prometeu lealdade.

"O facto de não me recandidatar à liderança do PSD não significa que me vá calar para sempre, não deixarei de lutar pelo meu país da melhor maneira que souber", prometeu, numa passagem muito aplaudida da sua intervenção perante o Conselho Nacional, aberta à comunicação social.

Passos Coelho garantiu que, "sejam quais forem os protagonistas desta nova fase do PSD", poderão contar com a sua lealdade e deixou uma palavra especial ao líder parlamentar, Hugo Soares, e ao eurodeputado social-democrata Paulo Rangel, ambos presentes na sala.

"Sei que o PSD é um grande partido aqui e é um grande partido na Europa. De um lado com o Hugo, do outro com o Paulo Rangel, aproveitaremos bem estes tempos para mostrar que o PSD é um pilar de estabilidade e construção do futuro", defendeu.

A este propósito, Passos Coelho anunciou que, na quarta-feira, será o líder parlamentar a protagonizar, do lado do PSD, o debate quinzenal com o primeiro-ministro.

"Desejo sinceramente que o período que se vai agora abrir seja encarado como uma grande oportunidade", afirmou, garantindo que não irá ser "um obstáculo" nem envolver-se nessa discussão, cabendo à secretária-geral organizar o processo eleitoral.

Apesar de considerar que não tem condições para se recandidatar a um novo mandato à frente do PSD, Passos assegurou que não desistirá das ideias que sempre defendeu e que irá "apresentá-las pelo país" quando entender.

"Mas não andarei a rondar nem a assombrar, desejo, do fundo do coração, o melhor para o meu país e para o meu partido", afirmou, num tom de voz mais emotivo do que o habitual e perante uma sala repleta de conselheiros nacionais.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon