Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Quase 400 mortos em confrontos entre rohingya e forças de segurança da Birmânia

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/09/2017 Administrator

O exército da Birmânia disse que quase 400 pessoas morreram nos recentes confrontos no estado de Rakhine, após as forças de segurança serem alvo de ataques de rebeldes da minoria étnica rohingya.

Os números, publicados hoje na página de Facebook do comando militar do país, são um forte aumento face aos 100 inicialmente reportados.

A declaração refere que apenas 29 dos 399 mortos não eram rebeldes rohingya, que o comando militar descreve como terroristas.

Na publicação indica-se que ocorreram 90 conflitos armados, incluindo 30 ataques iniciais de rebeldes em 25 de agosto, o que significa que os combates foram mais extensos do que inicialmente anunciado.

Numa reação aos ataques de 25 de agosto, o exército lançou o que chamou uma operação de limpeza contra os rebeldes.

Defensores dos rohingya, uma oprimida minoria muçulmana na sociedade maioritariamente budista da Birmânia, disseram que as forças de segurança atacaram e incendiaram aldeias e dispararam contra civis, matando centenas de civis rohingyas.

Dezenas de milhares fugiram para o vizinho Bangladesh, um êxodo que continua hoje.

Os guardas fronteiriços do Bangladesh tentaram impedi-los de entrar, mas milhares podem ser vistos hoje a fazer o seu trajeto através dos campos de arroz.

Os mais jovens ajudam a carregar os mais velhos, alguns em macas improvisadas, e as crianças transportam os recém-nascidos.

Alguns, transportando trouxas de roupa, utensílios de cozinha e pequenos painéis solares, dizem que andaram pelo menos três dias para chegar à fronteira.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon