Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Queixas fraudulentas por intoxicações alimentares sem dimensão em Portugal - Governo

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/07/2017 Administrator

As queixas fraudulentas por intoxicações alimentares feitas por turistas britânicos não são "um problema com uma grande dimensão em Portugal", garantiu hoje a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho. "Não é um problema com uma grande dimensão em Portugal, até porque é um problema muito associado a pacotes de férias combinados e a maior parte da procura não são pacotes com tudo incluído", explicou a governante em Londres, onde se reuniu ...

As queixas fraudulentas por intoxicações alimentares feitas por turistas britânicos não são "um problema com uma grande dimensão em Portugal", garantiu hoje a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.

"Não é um problema com uma grande dimensão em Portugal, até porque é um problema muito associado a pacotes de férias combinados e a maior parte da procura não são pacotes com tudo incluído", explicou a governante em Londres, onde se reuniu com operadores turísticos.

Em visita a Londres para avaliar a evolução do mercado britânico, um dos principais emissores de turistas em Portugal, Ana Mendes Godinho aproveitou para se informar sobre esta questão.

Em maio, o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico atualizou os conselhos para os viajantes para Portugal, alertando para a suspeita de serem falsas muitas das reclamações por intoxicações alimentares feitas por turistas britânicos.

Em causa está o aumento extraordinário de queixas nos últimos anos relacionadas com problemas gástricos feitas por turistas britânicos quando viajam com pacotes que incluem pensão completa, ou seja, refeições nos hotéis.

Segundo a Associação de Agências de Viagens Britânica (ABTA, na sigla inglesa), de 2013 para 2016 houve um aumento superior a 520%, revelou à agência Lusa, sem especificar o volume relativo a cada país.

Embora a secretária de Estado garanta que Portugal é pouco afetado, em comparação com o que acontece em Espanha, revelou que abordou a embaixadora do Reino Unido em Portugal "para sensibilizar para a necessidade da alteração da lei britânica".

A legislação admite queixas por danos pessoais contra operadores turísticos, que, por sua vez, passam os custos para os hotéis.

Muitos turistas estão a ser encorajados por empresas especializadas a fazer participações às companhias de seguros para receberem indemnizações, propondo um serviço gratuito em troca de uma percentagem do valor obtido ou da compensação das custas judiciais.

Ana Mendes Godinho adiantou que está a haver diminuição de volume de queixas porque houve uma decisão a responsabilizar um queixoso por se ter confirmado que a queixa era falsa.

O aviso feito pelas autoridades britânicas e a resposta dos hotéis está a demover potenciais queixas, saudou.

A secretária de Estado salientou que em Portugal não existe uma tradição de pacotes de férias com refeições incluídas, o que "permite que haja consumo [nos restaurantes] nas regiões em que os hotéis se inserem".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon