Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Quintana sem pernas para o Tour aponta o dedo ao Giro

Logótipo de O Jogo O Jogo 17/07/2017 Hugo Monteiro

O atleta diz não ter tido tempo de recuperação entre o Giro e o Tour.

O colombiano Nairo Quintana (Movistar) afirmou esta segunda-feira que está a viver momentos "amargos" na Volta a França em bicicleta e salientou que se não tivesse disputado a Volta a Itália estaria "a 100 por cento" no Tour.

Cycling - The 104th Tour de France cycling race - The 189.5-km Stage 15 from Laissac-Severac l'Eglise to Le Puy-en-Velay France - July 16 2017 - Movistar rider Nairo Quintana of Columbia in action. REUTERS/Benoit Tessier © REUTERS/Benoit Tessier Cycling - The 104th Tour de France cycling race - The 189.5-km Stage 15 from Laissac-Severac l'Eglise to Le Puy-en-Velay France - July 16 2017 - Movistar rider Nairo Quintana of Columbia in action. REUTERS/Benoit Tessier

"Sem o Giro teria estado a 100 por cento. Para o ano estarei em excelentes condições para disputar o Tour", disse o líder da equipa Movistar, que ficou descartado da competição depois de, no passado domingo, ter descido a 11.º e ficado a 6.16 minutos do camisola amarela, o britânico Chris Froome (Sky).

O colombiano, de 27 anos, disse ainda ter feito "um curto tempo de recuperação entre o Giro e o Tour", tendo por isso de analisar o seu mau desempenho na competição.

Contudo, afirmou não compartilhar das palavras do seu pai, que acusou a Movistar de o obrigar a participar nas duas corridas.

Nairo Quintana disse estar "tranquilo", porque fez "as coisas bem" e agradeceu a todos os que o apoiam, deixando claro que tem "ouvidos surdos" para as críticas.

"Algumas vezes são pessoas que não entendem, que nunca subiram a uma bicicleta, que não sabem o que é sofrer, fazer sacrifícios para conseguir as coisas. Tivemos um ano muito bom para mim e para a equipa. Lamentamos a queda do Alejandro [Valverde], senão estaríamos de outra forma", acrescentou o ciclista, conhecido como Nairoman, fazendo referência ao seu colega de equipa Alejandro Valverde, que abandonou a Volta a França devido a uma queda na primeira etapa.

No segundo dia de descanso, e depois da 15.ª etapa, vão na frente Froome, o italiano Fabio Aru (Astana), o francês Romain Bardet (AG2R La Mondiale) e o colombiano Rigoberto Urán (Cannondale Drapac), naquela que é a 104.ª edição da Volta a França em bicicleta.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon