Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rainha Sofia de Espanha assiste em Lisboa a conferência sobre Alzheimer

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/09/2017 Administrator

A rainha Sofia de Espanha assistiu hoje em Lisboa a uma conferência sobre o Alzheimer, uma das doenças a que é dedicada a sua fundação e que até sexta-feira é tema de um encontro com 80 peritos mundiais.

A cimeira Alzheimer´s Global Summit é organizada pela Fundação Champalimaud e coorganizada pela Fundação Rainha Sofia, de Espanha.

Apesar da presença da rainha Sofia estar prevista apenas para terça-feira, dia em que a cimeira é oficialmente inaugurada, esta fez questão de estar hoje presente e assistir à conferência de Mercé Boada, uma neurologista espanhola que fundou e dirige a Fundação ACE -- Instituto Catalão de Neurociências Aplicadas, que se dedica ao diagnóstico, tratamento, investigação e apoio a pessoas com demência.

Mercé Boada começou por agradecer a presença da rainha e lembrar que, sem ela, "o Alzheimer 'não existia' em Espanha".

A médica debruçou-se sobre as perdas que uma doença como o Alzheimer implica e referiu-se à doença como "um problema sócio-sanitário".

Na sua intervenção, Mercé Boada enumerou as várias evoluções registadas na identificação da doença de Alzheimer e especialmente os testes preditivos que apontam para uma maior predisposição para o desenvolvimento da patologia.

A esse propósito, deixou uma pergunta: "O que fazer com essa informação?"

Isto porque várias questões se colocam com o conhecimento dessa informação, nomeadamente o impacto que terá a nível familiar e laboral, por exemplo.

Mercé Boada recordou estudos que indicam que as pessoas que perdem a memória têm duas vezes mais riscos de desenvolver demências.

A cimeira internacional Alzheimer's Global Summit tem como objetivo discutir e partilhar os recentes progressos em duas áreas distintas, mas complementares: a da intervenção terapêutica e a área de investigação sobre doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer, Huntington e Parkinson.

A crise global da demência afeta mais de 50 milhões de pessoas no mundo e, até 2050, estima-se que este número possa quase triplicar.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon