Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rajoy diz que é "lamentável" que ativista venezuela não possa sair do país

Logótipo de O Jogo O Jogo 02/09/2017 Administrator

O presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, classificou hoje de "lamentável" a decisão das autoridades venezuelanas de proibir a saída do país da ativista e esposa do líder da oposição para várias reuniões na Europa.

"Podem prender as pessoas mas não os seus ideais. Liberdade para a Venezuela", escreveu Mariano Rajoy numa mensagem na sua conta pessoal do Twitter.

As autoridades da Venezuela proibiram Lilian Tintori de sair do país para uma reunião que estava prevista para segunda-feira, na qual participariam os presidentes da França, Espanha, Alemanha e Reino Unido, e também o presidente do parlamento da Venezuela, único órgão do Estado controlado pela oposição.

A decisão das autoridades da Venezuela surge por ter sido descoberta uma grande quantia de dinheiro no seu automóvel, cerca de 200 milhões de bolívares, o equivalente a 50 mil euros, que a ativista justificou com o pagamento de contas da avó de 100 anos, internada num hospital.

Julio Borges escreveu na sua conta no Twitter que "durante os próximos dias" vai falar sobre a Venezuela com o Presidente francês, Emmanuel Macron, a chanceler alemã, Angela Merkel, a primeira-ministra britânica, Theresa May, e o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, políticos que nas últimas semanas criticaram publicamente o Presidente venezuelano, Nicolas Maduro.

Lilian Tintori, mulher de Leopoldo López, um dos principais opositores venezuelanos, em prisão domiciliária, devia acompanhar o presidente da Assembleia Nacional nestas reuniões, mas anunciou que lhe foi confiscado o passaporte e não poderá viajar.

"Acabam de me proibir de sair do país. A ditadura quer impedir-nos de fazer uma importante viagem internacional", escreveu hoje a ativista também no Twitter.

Emmanuel Macron qualificou na terça-feira de "ditadura" o regime da Venezuela, mergulhada há meses numa profunda crise económica, política e institucional.

A Alemanha considerou "não democrática" a eleição de uma Assembleia Constituinte, em julho, e Espanha e o Reino Unido criticaram a constituição dessa Assembleia, tal como os Estados unidos, a União Europeia e uma dezena de países latino-americanos.

A Assembleia Constituinte, dominada por seguidores de Maduro e de Hugo Chávez, assumiu poderes legislativos da Assembleia Nacional, controlada pela oposição desde finais de 2015.

Segundo a agência EFE, que cita "fontes conhecedoras da agenda da viagem", Borges reúne-se na segunda-feira em Paris com Macron, seguindo para Madrid, onde é recebido na terça-feira por Rajoy, depois Berlim, para uma reunião na quarta-feira com Merkel, e Londres, na quinta-feira, para o encontro com May.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon