Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rali de Portugal: vários pilotos portugueses abdicaram da prova

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/05/2017 Hugo Monteiro

O regulamento de competição prevê que os pilotos do Nacional possam abdicar de uma prova. Muitos excluíram o Rali de Portugal.

José Pedro Fontes é o único dos três primeiros classificados do campeonato nacional a participar no Rali de Portugal de 2017, numa prova que marca também o regresso de Miguel Campos.

A classificação de melhor português é sempre uma luta especial no Rali de Portugal, e a edição deste ano não foge à regra, mas este ano, para muitos dos pilotos lusos presentes, a prioridade é outra: pontuar para o campeonato nacional, do qual é a quinta prova.

O regresso do Rali de Portugal ao calendário oficial da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) é um dos atrativos extra para a prova, no que, na perspetiva de José Pedro Fontes (Citroen DS3 R5), bicampeão nacional, "foi uma excelente decisão dos responsáveis da FPAK".

Mas o regulamento de competição prevê que os pilotos do Nacional possam abdicar de participar em uma das provas internacionais do calendário, ou seja, Rali dos Açores, Rali de Portugal e Rali da Madeira, e alguns optaram por fazê-lo agora.

Foi o caso de Carlos Vieira, recente vencedor do Rali de Espinho, e terceiro classificado no Nacional, assim como João Barros, segundo no campeonato, que decidiram não estar presentes no Rali de Portugal.

Já José Pedro Fontes, líder do campeonato, ausente nos Açores, está agora "totalmente focado no Rali de Portugal", no qual, assume, "o objetivo passa por ganhar para o campeonato, com classificativas a pontuar só até ao dia de sábado, e depois, no domingo, tentar lutar por ser o melhor português".

Uma luta pelo campeonato, a qual também pilotos como Miguel Barbosa (Skoda Fabia R5), quarto do acional, ou Pedro Meireles (Skoda Fabia R5), quinto no campeonato, terão uma palavra a dizer.

Quanto a Miguel Campos (Skoda Fabia R5), fora da luta pelo título nacional, aponta, como primeiro objetivo, "ser o melhor português" no Rali de Portugal. O piloto de Famalicão está inscrito na categoria WRC2, e vai por isso ter uma boa posição de partida, sendo mesmo o primeiro português na estrada.

© Reprodução/Facebook Rally de Portugal

"O pódio no WRC2 é algo que gostaríamos de conseguir", adianta o ex-campeão nacional. Para isso, acrescenta, "vai ser preciso andar depressa, no máximo das possibilidades, e, em função da posição na classificação, ver que tipo de gestão se pode fazer".

O Rali de Portugal, sexta prova do Mundial de Ralis 2017 - depois de Monte Carlo, Suécia, México, Córsega e Argentina - é composto por 19 classificativas, tal como no ano passado, e disputa-se entre 18 e 21 de maio.

A pontuação para o campeonato nacional, no qual o Rali de Portugal chega depois de Fafe, Castelo Branco, Açores e Espinho, é definida no final de sábado, sendo contabilizadas as primeiras 15 classificativas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon