Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rebocho e Cauê renderam um milhão ao Moreirense

Logótipo de O Jogo O Jogo 14/07/2017 Alcides Freire

O Guingamp (França) pagou 250 mil euros para contratar o lateral-esquerdo, e o Omyia Ardija (Japão) cerca de 750 mil euros pelo médio

© Fornecido por O jogo

O Moreirense procura acompanhar a evolução do negócio do futebol e assume-se, cada vez mais, como um clube vendedor. Nesse contexto, já amealhou, esta época, cerca de um milhão de euros em receitas extraordinárias, provenientes de duas transferências: a do lateral-esquerdo Pedro Rebocho para o Guingamp (França) que rendeu 250 mil euros, e a do médio Cauê para o Omiya Ardija (Japão), que fez entrar nos cofres cerca de 750 mil euros. A transferência de Cauê para a liga japonesa ficou ontem concluída e foi de seguida oficializada, com assinatura do respetivo contrato, de dois anos mais um de opção.

Estas contas poderiam registar mais meio milhão de euros, o montante acordado entre Moreirense e Braga para a transferência de Makaridze, que o guarda-redes inviabilizou com exigências salariais de última hora. O negócio abortou, no entanto, no clube, vários dão o georgiano de saída, e não será a custo zero.

Apesar de tudo, as expectativas quanto ao aumento das receitas extraordinárias não se ficam por aqui e o grande negócio poderá estar prestes a concretizar-se, de tão persistentes têm sido os contactos pelo ponta de lança Boateng, até agora, sem proposta concreta. O valor mínimo exigido para discutir a transferência é de dois milhões de euros.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon