Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Regulador dos seguros interveio para controlar investimentos da Fidelidade na chinesa Fosun

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/07/2017 Administrator

O presidente do regulador dos serviços disse hoje no Parlamento que a Fidelidade cumpre as regras de investimento em sociedades ligadas ao seu acionista, a chinesa Fosun, admitindo ter intervindo para controlar uma operação específica.

"Do processo de supervisão que fazemos garanto que não há utilização de fundos da Fidelidade em proveitos de outras entidades que não seja o seu negócio", afirmou hoje o presidente de Autoridade de Supervisão e de Fundos de Pensões (ASF), no Parlamento.

José Almaça foi hoje ouvido na comissão parlamentar de orçamento e finanças, tendo sido questionado tanto pelo CDS como pelo PCP sobre suspeitas de financiamento da Fidelidade à sua própria aquisição.

Em 2014, a maioria do capital da Fidelidade - o maior grupo segurador a operar em Portugal - foi vendido pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) aos chineses da Fosun, num negócio acordado em 1.100 milhões de euros.

Posteriormente, surgiram notícias de que ainda nesse ano a Fidelidade teria investido mil milhões de euros em dívida emitida por um veículo da própria Fosun.

Em resposta, o presidente da ASF afirmou que "quando o assunto se detetou resolveu-se logo", sem explicitar mais pormenores sobre o processo.

Já à margem, em declarações à Lusa, José Almaça explicou que a ASF teve conhecimento da operação e que considerou que o investimento nos títulos de dívida não cumpria na totalidade as normas, pelo que esses títulos foram vendidos pela Fidelidade em mercado, uma vez que eram cotados.

"Eles [a Fosun] investiram dentro da política de investimentos e nós entendemos que aquilo não devia continuar e foi reduzido, está arrumado há três anos", reiterou José Almaça.

Segundo o responsável pelo regulador dos seguros, as empresas seguradoras têm normas para investimentos em empresas do seu acionista e neste momento a Fidelidade "está a cumprir com todas as regras".

A China tornou-se, nos últimos anos, um dos principais investidores em Portugal, comprando participações importantes nas áreas da energia, dos seguros, da saúde e da banca.

O grupo chinês Fosun é acionista maioritário do banco BCP e controla a Fidelidade e o grupo de hospitais privados Luz Saúde.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon