Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

REPORTAGEM: Incêndios: População de Madalhal, Proença-a-Nova, juntou-se aos bombeiros no combate

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/07/2017 Administrator

A população de Madalhal, no concelho de Proença-a-Nova, distrito de Castelo Branco, juntou-se aos bombeiros no combate ao fogo que afetou a localidade na última noite e hoje à tarde mantém-se vigilante.

Várias carrinhas todo-o-terreno equipadas com depósitos de água circulam hoje pela localidade para evitar qualquer reacendimento, depois do "pandemónio" vivido de madrugada, com as chamas a aproximarem-se perigosamente das habitações.

"Aqui, quando os bombeiros chegam já o povo anda a apagar as chamas", enfatiza Alfredo Ribeiro, de 83 anos, proprietário do único café da aldeia.

A maioria dos homens não dormiu para evitar males maiores.

"Nem preguei olho", revela José Cristóvão da Silva, de 57 anos, que tem andado "numa roda-viva" para impedir qualquer reacendimento.

"Andamos com depósitos de mil litros de água nas carrinhas para abastecer as viaturas dos sapadores florestais, que apenas levam 500 litros", explica o habitante de Madalhal.

Vítor Alves Farinha, de 59 anos, também não foi à cama para andar a ajudar os bombeiros a puxar mangueiras.

As chamas consumiram pinheiros e eucaliptos e "chegaram mesmo ao pé das casas", frisa.

Salientando que o povo é unido, Vítor Farinha diz que ninguém abandonou a aldeia e os que puderam foram para o combate, ao lado dos bombeiros.

"O grande problema foi a intensidade das chamas e as projeções", refere José Cristóvão da Silva.

O incêndio em Malhadal, na freguesia de Proença-a-Nova e Peral, para o qual foi dado alerta às 20:28 de quarta-feira, foi dado como dominado hoje de manhã.

No local ainda se encontram esta tarde posicionados vários meios terrestres dos bombeiros e sapadores florestais.

Há 13 anos, um outro incêndio que lavrou junto à localidade "queimou tudo à nossa volta, destruiu alguns barracões e matou animais", recorda o octogenário Alfredo Ribeiro.

O distrito de Castelo Branco foi nos últimos dias um dos mais afetados por fogos florestais, inclusive um incêndio que deflagrou na Sertã e que alastrou a outros municípios. Este fogo foi dado como dominado hoje.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon