Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

REPORTAGEM: Unidade de sangue Gaia/Espinho, um serviço que avisa dadores quando ajudam a salvar vidas

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/08/2017 Administrator

O Serviço de Sangue do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E), que ambiciona regressar à autossuficiência, avisa o dador quando a sua dádiva ajuda a salvar uma vida, contaram à Lusa os responsáveis.

"Caro(a) dador(a), o sangue da sua última colheita foi utilizado hoje para o tratamento de um doente. Muito obrigado" - é a mensagem que o Serviço de Sangue do CHVNG/E envia aos seus dadores nessas alturas.

"O objetivo é criar empatia, incentivar o dador a continuar a doar e a trazer outras pessoas", descrevem Manuel Figueiredo e Natália Batista, respetivamente diretor e secretária de um serviço que também recorreu às redes sociais para "cativar jovens dadores", uma vez que "os mais antigos e fiéis estão a envelhecer" mas "a dádiva de sangue não pode esperar".

O lema do serviço é simples. "Não deve nunca ser o doente a ficar à espera do sangue, deve ser o sangue a esperar pelo doente", frisa Manuel Figueiredo, acrescentando que para conseguir não pedir sangue ao exterior, o ideal, para o CHVNG/E, era conseguir em média mais de 30 colheitas validadas por dia.

É algo que não acontece nesta como noutras unidades hospitalares, mas, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, decidiu-se 'atacar' o problema. A campanha de sensibilização e os apelos foram intensificados e, num ano, a página da rede social Facebook atingiu mais de 14.000 'gostos'.

A página é vista por dadores como uma fonte de informação, uma vez que através dela muitas pessoas tiram, de forma confidencial, dúvidas sobre dádivas de sangue. Mas funciona também como rede de interação, já que é frequente a partilha de fotos, de curiosidades e até de vídeos protagonizados por figuras públicas.

Natália Batista, que é quem gere a página, também criou uma espécie de escala que ajuda os profissionais do serviço a lembrarem-se que está na hora de partilharem pequenos estudos, coisas simples, relacionadas com a dádiva de sangue.

"Também aproveitamos para desconstruir alguns mitos. 'Fiz uma tatuagem, nunca mais posso dar sangue?', perguntam. E podem. Basta aguardarem quatro meses", descrevem os responsáveis.

Outras vezes, questionam, por exemplo: "Tenho colesterol aumentado, posso dar sangue?".

"Sim", respondem , "é raríssimo uma pessoa não poder dar sangue por ter colesterol aumentado".

O Serviço de Sangue do CHVNG/E foi autossuficiente até 2007, mas agora tem capacidade para 89% das suas necessidades, pedindo 11% ao Instituto Português do Sangue e da Transplantação.

Segundo o diretor de serviço, neste intervalo, a unidade hospitalar que serve os concelhos de Vila Nova de Gaia e Espinho registou "uma quebra em dádivas de sangue semelhante à que aconteceu em todo o país", somando-se o facto do tipo de cirurgias que têm sido realizadas desde essa altura "serem mais sofisticadas, o que aumentou a necessidade de utilização de sangue".

Manuel Figueiredo garante que nunca houve necessidade de atrasar cirurgias por falta de sangue, mas frisa a meta da autossuficiência e, a título de exemplo, conta que um doente politraumatizado pode precisar de mais de 30/40 unidades de uma só vez.

Uma leucemia pode 'gastar' mais de 30 unidades. E um parto complicado pode exigir mais de seis unidades.

Em 2016 foram realizadas no CHVNG/E 11.898 transfusões de sangue, o que ajudou a tratar 2.273 doentes.

O Serviço de Sangue desta unidade hospitalar também disponibilizou uma aplicação de telemóvel para os dadores, na qual estes têm acesso a informação sobre dádivas, alertas sobre a altura em que pode dar sangue, resultados de análises e mesmo curiosidades.

"Sabia que a primeira transfusão com sucesso foi realizada entre dois cães?" - é uma das curiosidades disponibilizadas na aplicação.

Ricardo Lacerda, polícia de 43 anos, é um dos utilizadores desta aplicação por ser dador há mais de duas décadas. Começou quando estava a cumprir serviço militar e continuou mais tarde por sentir que faz algo "gratificante".

"Sinto-me bem. Sinto que se tenho oportunidade de ajudar alguém não posso hesitar em fazê-lo. E acho importante que se divulgue cada vez mais", referiu à Lusa, sugerindo campanhas de sensibilização nas escolas e a divulgação de quais as regalias associadas a este gesto que garante que "não dói nada, bem pelo contrário, trás felicidade".

O serviço também está aberto ao sábado das 08:30 às 13:30.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon