Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rolando antevê o Vitória: "Somos os favoritos, mas apenas no papel"

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/10/2017 Francisco Sebe

Num jogo "muito especial", por ser contra uma equipa portuguesa, o central terá oportunidade de dar "um grande abraço" ao seu "menino", Francisco Ramos, e ao amigo Heldon.

Rolando não esconde que o jogo de amanhã, com o Vitória de Guimarães, para a terceira jornada do Grupo I da Liga Europa, tem características únicas. "É especial por ser uma competição europeia. É mais mediático, tem maior visibilidade e, apesar de todos os jogos serem importantes, puxa um bocadinho mais pelos jogadores. É mais especial ainda e é sempre diferente dos outros jogos por ser contra uma equipa portuguesa", admitiu Rolando, a O JOGO, sublinhando que encara, "naturalmente", este desafio "com o máximo profissionalismo".

citacaoRolando, internacional português do Marselha, está preparado para não se deixar surpreender pelo V. Guimarães. "O campo é que dará a resposta sobre quem é melhor", defende

© Álvaro Isidoro/Global Imagens

O internacional português deu uma sonora gargalhada quando lhe perguntámos se tinha dado indicações a Rudi Garcia, treinador do Marselha, sobre o Vitória. "Falou comigo, mas nada de especial", contou, mostrando-se preparado para as dificuldades que os vimaranenses colocarão. "Não é o meu forte analisar o adversário, mas pelo que fizeram na época passada é sem dúvida uma equipa com muita qualidade. Nas provas europeias não há jogos fáceis e, por isso, não podemos facilitar para não sermos surpreendidos", argumentou. O defesa, que representa o Marselha pela terceira época consecutiva, acrescenta, inclusive, que a eventual superioridade da sua equipa terá de ser confirmada na prática. "Teoricamente, somos os favoritos no papel, mas o campo é que dará a resposta", defendeu.

Rolando sabe "muita coisa" de um adversário que "merece respeito" e, entre vários jogadores de qualidade, destaca dois: o amigo Heldon e o "menino" Francisco Ramos. "Conheço muito bem o Heldon. Cabo Verde é pequenino e tenho, por isso, uma relação muito boa com ele. Gosto muito dele como pessoa e como jogador, faz muitas vezes a diferença", descreveu, considerando o extremo um dos mais perigosos da equipa minhota. "Estava sem ritmo quando chegou e, pouco a pouco, está a provar que merece ser titular. Não é por acaso que é jogador do Sporting e está a aproveitar bem o empréstimo", avaliou.

Com um sorriso elucidativo, o ex-jogador do FC Porto recordou Francisco Ramos que já se destacava nos dragões, em 2011/12. "É o meu menino, o meu mano. Tive o prazer de conhecer muitos miúdos quando estava no Dragão e o Francisco já era muito bom. É um jogador de futuro, com muita qualidade e sempre acreditei nele", afirmou, reconhecendo que, "apesar de estar num clube onde é mais difícil jogar", vai acabar por "conquistar o seu espaço com naturalidade".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon