Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rui Costa e os Mundiais: "Aconteceu o que eu temia"

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/09/2017 Hugo Monteiro

Rui Costa disse que deu o máximo na corrida de fundo dos Mundiais de ciclismo de estrada, em Bergen, Noruega, para terminar como melhor português, no 19.º lugar.

Rui Costa disse que deu o máximo na corrida de fundo dos Mundiais de ciclismo de estrada, em Bergen, Noruega, para terminar como melhor português, no 19.º lugar, com o mesmo tempo tricampeão, o eslovaco Peter Sagan. "Acabou por acontecer o que eu temia. A corrida foi muito dura, sobretudo desde a altura em que a Holanda e a Bélgica pegaram na corrida, a cerca de 90 quilómetros do fim, mas a subida não era suficientemente extensa para fazer a diferença. Passou um grupo pequeno, mas estavam lá alguns sprinters. Ainda tentei atacar, mas não era possível. Saio com a consciência de que estava bem e de que dei o meu máximo, mas o percurso não era o ideal", considerou Rui Costa, citado pela assessoria da Federação Portuguesa de Ciclismo.

© Federação Portuguesa de Ciclismo

Campeão do mundo em 2013, Rui Costa terminou entre os 28 corredores que cortaram a meta destacados, com Peter Sagan a encabeçar o grupo para se tornar o primeiro a conquistar o título três vezes seguidas, ao bater o norueguês Alexander Kristoff no sprint. O australiano Michael Matthews ficou em terceiro.

Na última passagem pela subida de Salmon Hill, marcada por diversos ataques, uma queda ajudou a provocar um corte no pelotão, e Rui Costa foi o único português que ficou no grupo da frente. "A queda foi uma pena, pois impediu-nos de chegar mais adiante e de ajudar o Rui na parte decisiva", comentou Ricardo Vilela.

Nelson Oliveira foi o 55.º classificado, Tiago Machado foi 64.º e Ricardo Vilela foi 65.º, todos a 2.32 minutos do vencedor, enquanto José Gonçalves terminou em 130.º, a 11.53, e Ruben Guerreiro, vítima de dores abdominais, abandonou a corrida.

"Este Mundial tornou-se duro pela distância e pelo ritmo, mas não o suficiente para eliminar os 'sprinters'. Estivemos ativos na frente da corrida, quando já poucos corredores mantinham aspirações. O Rui tentou atacar, mas é um corredor muito marcado e, portanto, nunca teve margem para se isolar", disse o selecionador português, José Poeira.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon