Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rui Patrício fez do Sporting o seu mundo e olha para recorde absoluto

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/10/2017 Francisco Sebe

Elogiado por Jorge Jesus, o guardião aspira a tornar-se, ainda esta época, no jogador mais utilizado de sempre do clube.

Figura de destaque na vitória em Vila do Conde, onde realizou cinco defesas de elevado grau de dificuldade, Rui Patrício voltou a demonstrar que está a passar por um dos melhores períodos de forma de uma carreira inteiramente dedicada ao emblema lisboeta. Ultrapassada a frustração de não sair após o título no Euro"2016, o guardião está, de acordo com Jorge Jesus, "confiante e feliz" em Alvalade e a sua própria situação familiar - foi pai pela segunda vez recentemente - convenceu-o a limitar a sua classe mundial às fronteiras do reino do leão, onde está condenado a tornar-se figura de relevante peso histórico.

Contando com a deslocação ao terreno do Rio Ave, Patrício passou a somar 426 jogos disputados com a camisola do Sporting. Sendo titular nas 24 jornadas que restam da Liga e nas três da Liga dos Campeões, o camisola 1 "só" precisa de somar mais um jogo entre Taça de Portugal, Taça da Liga ou competições europeias - caso os leões fiquem em segundo ou terceiro do seu grupo na liga milionária - para ultrapassar Hilário (453 jogos) e tornar-se o jogador mais utilizado de sempre na história do Sporting. Pelo meio ainda estão Manuel Fernandes (443) e Damas (436), o maior nome das balizas do emblema lisboeta.

© Pedro Rocha/Global Imagens

citacaoHilário, com 453 encontros, está apenas a 27 de distância do camisola 1, que, aos 29 anos de idade, parece ter reservado a "classe mundial" apontada pelo treinador para os relvados portugueses

Aos 29 anos de idade, o internacional português ainda terá pela frente, pelo menos, a grande montra do Mundial"2018, embora a atual tendência do mercado para a sua posição específica esteja mais inclinada para jovens valores: no top 10 dos guarda-redes mais caros de sempre, apenas três - Toldo (2001), Peruzzi (1999) e Bravo (2016) - foram negociados com 29 anos ou mais. Além disso, a cláusula de rescisão de 40 milhões de euros prevista num contrato com o Sporting válido até 2022 também é um forte obstáculo a potenciais interessados, pois só dois guarda-redes - Buffon (2001) e Ederson (2017) - foram negociados por valores superiores.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon