Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rui Vitória quer “coração e cabeça” para chegar ao inédito ‘tetra’

Logótipo de LusaLusa 12/05/2017 João Godinho
ANTÓNIO COTRIM/LUSA © LUSA / ANTÓNIO COTRIM ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Lisboa, 12 mai (Lusa) - O treinador do Benfica, Rui Vitória, garantiu hoje que a possibilidade de conquistar o tetracampeonato não influencia a equipa, a quem pediu "coração e cabeça" para bater o Vitória de Guimarães na 33.ª jornada da I Liga de futebol.

Na conferência de imprensa realizada no Estádio da Luz, o técnico dos ‘encarnados' frisou que "há uma noção clara" da qualidade do adversário e "das consequências do resultado", mas que "a preparação é sempre a mesma".

"Não há que ter qualquer problema em entendermos que há uma final de amanhã [sábado] e que nos pode trazer coisas muito boas. Estamos preparados para isso", afirmou.

As questões em torno dos aspetos emocionais dos jogadores foram uma constante na antevisão do encontro com os vimaranenses e nem o próprio treinador dos tricampeões foi exceção. Confrontado com as suas próprias emoções ao longo desta semana e a perspetiva de um triunfo inédito, Rui Vitória assegurou manter a frieza.

"Temos vindo a preparar os jogadores para viverem estes jogos com muita naturalidade. Temos de ter coração e cabeça para jogar a alto nível. Eu durmo sempre oito horas por dia, com as mesmas rotinas. Sou igual, não sei viver de outra forma. Sou muito frio nestas coisas da competição. Temos de acreditar no nosso valor, na nossa capacidade e nos nossos adeptos", frisou.

Em caso de vitória, o Benfica conquista matematicamente o ‘tetra' e o 36.º título nacional do seu historial, mas o treinador português preferiu não se alongar nas palavras, embora tenha considerado "natural" existirem alguns preparativos para a possível festa ‘encarnada' em Lisboa.

"Só gosto de falar depois de as coisas estarem consumadas. Se se concretizar, nós falaremos", disse, acrescentando: "É evidente que, perante os cenários que possam acontecer, as pessoas têm de se preparar. Qual é o problema disso? A nós não influencia nada. Temos consciência do que temos pela frente e do que temos de fazer para lá chegar."

Aliás, o técnico do Benfica fez questão de apontar o seu discurso para a formação do Vitória de Guimarães, a quem não poupou elogios, realçando a "motivação" e a "qualidade" para poder complicar a missão ‘encarnada'.

"Quero destacar o trabalho do Vitória ao longo do campeonato: pelo presidente, pelo belo trabalho do Pedro Martins, pelos jogadores e pelos vimaranenses. É uma equipa que está motivada, rotinada, com hábitos de vitória e tem características de jogo de ataque rápido e contra-ataque para as quais é fundamental estarmos atentos", explicou.

A terminar, o treinador do Benfica comentou a sua recente renovação com o clube da Luz até 2020, mas não quis confirmar se considera possível eternizar-se no lugar como o escocês Alex Ferguson fez à frente do Manchester United, no qual permaneceu 27 anos.

"Vivo o meu dia a dia de forma intensa, apaixonado pelo meu trabalho. Sinto que daqui para a frente ainda pode ser mais colocado o nosso cunho pessoal. Estou satisfeitíssimo, orgulhoso, em paz comigo mesmo, apaixonado pelo clube e pelo treino, vivendo o dia a dia com muita felicidade", rematou.

O Benfica, primeiro classificado, com 78 pontos, recebe este sábado, às 18:15, o Vitória de Guimarães, quarto, com 62, no Estádio da Luz, numa partida que será dirigida pelo árbitro Jorge Sousa (Associação de Futebol do Porto).

JYGO // NFO

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon