Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

SÍNTESE: Chamas provocam a morte de 35 pessoas, Governo decreta 3 dias de luto nacional

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/10/2017 Administrator

Os fogos que lavram nas regiões norte e centro do país provocaram a morte de pelo menos 35 pessoas, e feriram mais de 50, algumas com gravidade, levando o Governo a decretar três dias de luto nacional.

O último balanço efetuado pela adjunta de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, dava conta de 35 mortos e várias dezenas de feridos.

Um pouco por todo o país, as autarquias relataram situações de casas de primeira habitação ameaçadas ou destruídas pelas chamas, o que levou à retirada dos moradores para abrigos seguros.

Apesar de ainda não haver um balanço da área ardida, os autarcas têm estimado que grande parte dos seus concelhos tenha sido reduzido a cinzas. No caso do Pinhal de Leiria, por exemplo, o presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande falou numa destruição a rondar os 80%.

Durante a madrugada, a ministra da Administração Interna e o primeiro-ministro estiveram na sede da ANPC, em Carnaxide, Oeiras, a acompanhar a situação.

À saída, António Costa anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Entretanto, e depois de ser anunciado que o chefe de Governo se iria dirigir ao país a partir das 20:00, desde a residência oficial em São Bento, Lisboa, o executivo aprovou, em Conselho de Ministros extraordinário, o decreto que declara luto nacional nos dias de terça-feira, quarta-feira e quinta-feira como forma de pesar e solidariedade pelas vítimas dos incêndios.

Também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reagiu à situação ao início da tarde, pedindo uma ação urgente face aos incêndios.

O chefe de Estado prometeu também falar ao país após a estabilização dos fogos e deslocar-se aos concelhos afetados.

Entretanto, ao final da tarde, Bruxelas anunciou que Itália respondeu ao pedido de ajuda das autoridades nacionais, estando a caminho de Portugal aeronaves de combate a incêndios disponibilizadas por aquele país.

Portugal acionou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Em termos internacionais, o Rei de Espanha, Felipe VI, transmitiu todo o seu "apoio e solidariedade" devido aos graves incêndios em Portugal, e o secretário-geral da ONU, António Guterres, ligou ao primeiro-ministro, manifestando-se consternado com as consequências trágicas dos incêndios.

Os partidos políticos com representação parlamentar, que alteraram as agendas para hoje, também já se manifestaram relativamente a esta situação e expressaram condolências às famílias das vítimas.

A direção do PS apresentou as condolências às famílias das vítimas atingidas pelos incêndios e insistiu na necessidade de ação para que se concretize uma reforma estrutural da floresta.

Já o PSD lamentou a falência do Estado nos momentos em que as populações precisam e o CDS-PP pediu uma audiência com caráter de urgência ao Presidente da República para abordar esta situação.

À esquerda, o PCP exigiu uma mudança nas políticas florestais, mas recusou pedir demissões, enquanto do BE defendeu a necessidade de mudar a estrutura governamental para juntar a prevenção ao combate aos incêndios, esperando que o Governo "tire responsabilidades" no Conselho de Ministros de sábado.

Também o PAN manifestou "profundo pesar às famílias e amigos" das vítimas, e apontou estar a mobilizar-se para apoiar as populações no terreno.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon