Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Síria: Hezbollah e exército do Líbano atacam "terroristas" na zona de fronteira

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/07/2017 Administrator

O Exército libanês bombardeou hoje, pela segunda vez, grupos de extremistas, alguns com ligações à Al-Qaida, que procuravam penetrar na região de Arsal, no nordeste do Líbano e limítrofe com a Síria.

Na zona decorre uma ofensiva do grupo xiita libanês Hezbollah e das tropas governamentais sírias para expulsar os "terroristas".

Fontes militares tinham dito à agência noticiosa Efe que o Exército está "em alerta" para fazer frente a qualquer ação dos extremistas e que adotou "uma posição defensiva", uma vez que só agirá em caso de ataques contra as suas posições ou contra os civis libaneses e sírios.

As mesmas fontes anunciaram também que foram tomadas medidas para ajudar as organizações não-governamentais, locais e internacionais, a fazerem o seu trabalho, antecipando um possível fluxo de refugiados da Síria, que comecem a fugir da zona, onde estão instalados em acampamentos.

A cadeia de televisão Al Manar, porta-voz do Hezbollah, revelou que os combatentes xiitas se confrontaram com militantes da Frente de Conquista do Levante (FCL), uma ex-filial da Al-Qaida na Síria, em Dahr el Haua, um dos principais locais deste grupo em Arsal, de onde o expulsou.

Mesmo assim, a FCL ainda controla o vale Al Wahua, também na região de Arsal, onde destruíram um centro de comando desta organização.

O Hezbollah, apoiado pelo governo sírio, anunciou hoje de manhã o início de uma ofensiva para "libertar" as montanhas de Arsal, no lado libanês da fronteira, e os montes de Al Qalamún, na parte síria, da presença de "terroristas".

Uma fonte militar afirmou à Efe que menos de mil milicianos extremistas permanecem em Arsal, dos quais entre 300 e 400 pertencem à FCL e 200 ao grupo que se designa por Estado Islâmico.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon