Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Samaris a um passo de deixar o Benfica

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Alcides Freire

© Fornecido por O jogo

Andreas Samaris poderá estar a viver as últimas sensações de águia ao peito. Nas últimas horas, sabe O JOGO, as negociações entre o Benfica e o Newcastle evoluíram de forma muito positiva, perspetivando-se que o médio possa finalmente rumar à Premier League, após três temporadas vitoriosas no Benfica - campeão nacional nos três anos. O negócio ainda não está concretizado, mas tudo leva a crer que desta vez os magpies não vão deixar escapar a oportunidade de contratar o médio das águias. Há uns meses, o emblema inglês ofereceu cerca de 15 milhões de euros e Luís Filipe Vieira, que se encontra com a equipa em Inglaterra e tem mantido contactos com os responsáveis do Newcastle, rejeitou a proposta por considerar curta, tendo em conta o preço de aquisição do jogador (Benfica pagou 10 milhões de euros e pretendia 20 milhões para libertá-lo), mas recentemente o líder da Luz demonstrou outra flexibilidade negocial, abrindo as portas a um entendimento e colocando em cima da mesa alguns objetivos além da verba inicial (15 milhões de euros). Apesar de manifestar inúmeras vezes o carinho que sente pelo Benfica, o internacional grego não joga com a frequência que pretendia e também por isso está mais recetivo a abraçar uma nova aventura na sua carreira. Aos 28 anos, entende que está numa fase decisiva do seu percurso futebolístico e não pode correr o risco de ficar de fora das grandes competições pela sua seleção, como será o Campeonato do Mundo na Rússia no próximo ano.

Samaris tem contrato com os encarnados até junho de 2019 e uma cláusula de rescisão de 45 milhões de euros. Esta temporada, o jogador esteve presente 32 partidas, 18 para o campeonato, não chegando aos mil minutos de competição na prova maior do calendário nacional. Mesmo fragilizado pelas lesões, Fejsa esteve em 25 partidas (2157"). Números ainda muitos distantes de Pizzi, por exemplo, que somou quase três mil minutos só na Liga.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon