Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Se acreditam na subida é por que o grupo fez um bom trabalho"

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/02/2017 João Cardoso

Costinha compreende a insatisfação pelo facto da Académica estar há quase cinco meses sem vencer fora e ter desperdiçado uma oportunidade de reduzir a diferença para o Aves, mas elogia o que o plantel tem feito

Académica ainda longe do Aves: "Os jogadores estão motivados, mas nós não jogamos sozinhos. Jogamos contra adversários que também têm as suas metas e também têm a sua qualidade e, por vezes, conseguem fazer com que a Académica pas­se por dificuldades. O que temos de fazer é melhorar dia a dia, jogo a jogo, para obter os três pontos. Não considero que são "tiros nos pés". São situações que ocorrem no futebol. Se há bem pouco tempo ninguém acreditava que a Académica subia, agora se acreditam é por que alguém dentro do clube está a fazer um bom trabalho e esse bom trabalho é feito pelo grupo da Académica. Recordo-me desde que cheguei aqui até ao dia de hoje de todos os comentários que foram feitos em relação à equipa técnica, à equipa e aos jogadores e de repente parece que tudo era mau e agora é tudo bom, só porque o Aves perdeu pontos. Não tenho a memória curta. Dependemos de nós para obter os três pontos, não dependemos de nós para que os outros percam os três pontos. Esta equipa entra em qualquer campo com o objetivo de vencer. Ninguém tira o pé do acelerador. A Académica não ganha fora há quase cinco meses, mas ainda assim está em 3.º lugar, o que quer dizer que os outros também não ganharam em algum lugar".

© Fornecido por O jogo

Sente-se injustiçado?: "Não. Não tenho a experiência de alguns treinadores, mas de futebol já tenho muitos anos e percebo o futebol. Continuam a haver a pessoas que não gostam da minha forma de treinar e de ser, haverá pessoas que não lhes importa nada. O que me importa é trabalhar com os meus jogadores, dignificar ao máximo esta profissão, exigir que as pessoas sejam profissionais, mas percebo o estado de espírito das pessoas. Agora, há uma coisa que garanto: as pessoas podem berrar o que quiserem que eu estou focado no meu trabalho. Costumo dizer que o meu positivismo serve para apagar o negativismo dos outros".

Antevisão ao jogo com o Cova da Piedade: "É uma equipa difícil, tem uma nova estrutura técnica que curiosamente treinou um clube onde iniciei a carreira, o Oriental. Quando estive parado vi muitos jogos do Oriental e conheço bem o João Barbosa. O Cova da Piedade teve um período em que andou muito bem, perto dos lugares cimeiros e agora está próximo dos lugares de descida. Vem procurar pontos para obter a manutenção o mais rapidamente possível, enquanto nós queremos pontos para somar e colocar pressão nos adversários que estão em cima e fugir aos que vêm a seguir a nós.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon