Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Se não agisse, não ficava bem com a minha consciência"

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/04/2017 Alcides Freire

O JOGO falou com a testemunha cuja denúncia levou à identificação dos árbitros e à abertura de um processo ao Freamunde-Penafiel por suspeita de viciação de resultados

"Se não agisse, não ficava bem com a minha consciência", contou a O JOGO a figura central, por agora, do caso que envolve o Freamunde-Penafiel, encontro da 38.ª jornada da II Liga que terminou com a vitória, por 2-1, dos visitantes e a equipa de arbitragem identificada pela GNR, após denúncia dos responsáveis da formação da casa.

. © Paulo Jorge Magalhaes .

A testemunha - pessoa do sexo feminino e coach de jogadores profissionais, que respeitando o que lhe foi aconselhado pelas autoridades aceitou falar a coberto do anonimato - detalhou a situação que viveu e que a levou a denunciá-la aos dirigentes dos capões. "Estava no estádio para ver o jogo quando recebi as mensagens em que me alertavam para a possibilidade de o final vir a ser problemático, com autoridades à mistura. Inicialmente, pensei ser uma brincadeira de um amigo, mas, na segunda parte, ao ver o que se passava, percebi a gravidade da situação e decidi contactar os dirigentes do Freamunde", começou por contar, explicando depois que foram as informações sobre o resultado ao intervalo e no final que a levaram a dar credibilidade às mensagens recebidas. Inicialmente, ainda respondeu, "em jeito de brincadeira, que as fontes eram más". Mas quando surgiu o 0-1, que se verificou ao intervalo, ficou intrigada e a sucessão de acontecimentos na reta final da partida e o resultado a que tivera acesso (1-2 no final) levaram-na a agir - a equipa de arbitragem anulou dois golos (o Freamunde reclama um terceiro lance em que a bola terá entrado) e não marcou duas grandes penalidades pedidas pelos da casa.

"Se não agisse, não ficaria bem com a minha consciência. Foi então que decidi contactar os dirigentes do Freamunde", disse, deixando claro que nunca assistira a nada assim. "E vejo futebol desde pequena".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon