Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Seul apela a vários governos para que aumentem as sanções contra Pyongyang

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/07/2017 Administrator

O Presidente sul-coreano apelou hoje à Alemanha para que aplique sanções reforçadas contra a Coreia do Norte, na sequência do anúncio de Pyongyang de que lançou um míssil balístico intercontinental (ICBM), que Seul qualificou de "provocação".

"A Coreia do Norte deve pôr um fim a isto e, por esta razão, nós devemos trabalhar no sentido de sanções mais intensas" contra este país, declarou Moon Jae-In no decorrer de uma conferência de imprensa com a chanceler alemã, Angela Merkel.

O chefe de Estado sul-coreano sublinhou que serão lançadas negociações sobre esta matéria com alguns governos à margem da cimeira do G20 que decorrerá na sexta-feira e no sábado em Hamburgo, Alemanha.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, tem agendada para quinta-feira à noite, véspera da cimeira, reuniões com Moon Jae-In e com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, para discutir a segurança na Ásia.

O chefe de Estado chinês, Xi Jinping, não estará nesta ronda de bilaterais com Trump, umz vez que o disparo do míssil norte-coreano reavivou as tensões entre Washington, aliado militar de Seul, e Pequim, principal suporte económico e diplomático de Pyongyang.

"Trata-se de uma grande ameaça" para a Península coreana e para o mundo inteiro", bem como "uma provocação", disse o novo chefe de Estado da Coreia do Sul.

No entanto, Moon Jae-In mostrou-se mais aberto ao diálogo com a Coreia do Norte do que o seu antecessor, afirmando-se favorável a uma "solução pacífica" para o conflito.

A chanceler alemã também deu apoio à ideia de impor sanções mais duras contra Pyongyang.

Merkel indicou que pretende discutir com o Presidente sul-coreano "a melhor forma de manter a pressão, e ver como se poderá continuar a aumentar as sanções".

"É uma questão que nos toca o coração, porque nós sabemos, por experiência própria, o que significa a divisão de um país", afirmou Merkel, referindo-se ao período entre 1949 e 1989, durante o qual a Alemanha comunista, a República Democrática Alemã, coexistiu com a Alemanha ocidental, a República Federal da Alemanha.

Isolado na cena internacional, Pyongyang justifica o seu programa de armamento nuclear com uma alegada ameaça de invasão por parte de 28 mil soldados norte-americanos estacionados na Coreia do Sul. A Coreia do Norte já realizou cinco testes nucleares e dispõe de um pequeno arsenal de bombas atómicas.

A confirmação de que Pyongyang dispõe igualmente de um míssil balístico intercontinental, capaz - segundo os especialistas norte-coreanos - de atingir o Alasca, representa um grau superior de ameaça por parte do regime comunista norte-coreano.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon