Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Shinzo Abe prometeu medidas concretas para enfrentar a Coreia do Norte

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/10/2017 Administrator

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, prometeu hoje medidas para contrariar as ameaças da Coreia do Norte sublinhando que tem o apoio dos japoneses na sequência da vitória dos conservadores nas eleições gerais.

"Com o apoio popular que recebemos estamos em condições para ativar contramedidas efetivas para enfrentar a ameaça norte-coreana", disse Shinzo Abe numa conferência de imprensa em Tóquio sobre o resultado das eleições legislativas no Japão.

O líder dos conservadores japoneses adiantou que a questão da Coreia do Norte vai ser um dos assuntos principais em análise durante a visita que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai realizar ao Japão a partir do dia 05 de novembro.

"Falei hoje com Trump e concordamos que durante a visita vamos dedicar 'tempo significativo' para analisarmos a forma de enfrentar este desafio", disse o primeiro-ministro na mesma conferência de imprensa que se realizou na sede do Partido Liberal Democrata, na capital japonesa.

Shinzo Abe disse também que vai partilhar com "outros líderes" a mesma preocupação para "incrementar a pressão sobre a Coreia do Norte" tendo-se referido particularmente à República Popular da China e à Rússia.

"O meu objetivo é garantir que o povo japonês tenha segurança" disse recordando que as eleições tinham sido convocadas para garantir o apoio do "povo japonês" na adoção de medidas contra o regímen de Pyongyang além da aplicação das reformas económicas.

De acordo com os últimos dados noticiados pela NHK, o Partido Liberal Democrata conseguiu 284 deputados e o Komeito, aliado político, elegeu 29, conseguindo conjuntamente um número superior aos dois terços exigidos para a Câmara Baixa do Parlamento composta por 465 membros.

A maioria abre caminho a Shinzo Abe para avançar com o processo de reforma da Constituição, sobretudo na área da Defesa.

"Conseguimos uma forte maioria", disse o primeiro-ministro frisando que "se trata da primeira vez em 50 anos que um partido recebeu um apoio tão 'constante' por parte do povo japonês".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon