Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Simulação de crédito habitação indica que 40% dos portugueses teria dificuldades em pagar

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/10/2017 Administrator

A plataforma Compara.Já diz que cerca de 40% dos 6.000 utilizadores que fizeram uma simulação sobre crédito à habitação no seu 'site' perceberam que a prestação mensal a pagar ao banco seria demasiado 'pesada' no seu orçamento familiar.

O Compara.Já lançou, no início de março, o primeiro comparador gratuito de crédito à habitação, tendo referido em informação enviada à Lusa que, desde então, 41% dos 6.000 utilizadores simularam créditos à habitação "cujos valores e prazos de financiamento os colocava, atendendo aos seus rendimentos e à prestação mensal do empréstimo, além do limite da taxa de esforço aceite pelas instituições bancárias".

O limite recomendável para um agregado familiar pagar pela prestação do crédito à habitação é de cerca de um terço do rendimento familiar. Por exemplo, se num casal cada membro ganha 900 euros, o que dá um total de 1.800 euros, o valor a pagar ao banco pela casa não poderá ser mais de 600 euros.

Ainda segundo esta plataforma de comparação de créditos, apenas 40% das simulações feitas tinham uma relação entre o montante e o prazo do crédito que "permitia fixar os encargos mensais com o crédito abaixo do limite recomendável".

Já 19% dos utilizadores, tendo em conta as simulações, tinham taxas de esforço entre os 36% e 40%, o que, diz o Compara.Já, "os coloca num patamar de risco que, regra geral, leva a que as instituições bancárias ofereçam condições desvantajosas ou recusem a concessão do crédito".

Esta análise do Compara.Já estima que, com base nos ordenados médios, em Portugal um casal demora em média 25 anos a comprar uma casa de 120 metros quadrados (m2), isto dedicando um terço do rendimento mensal total para a prestação bancária (o cálculo da mensalidade teve como base o valor médio dos 'spreads' atualmente praticados no mercado português, o qual ronda 1,75%) e dando já 20% do valor de avaliação do imóvel.

Contudo, há grandes discrepância entre regiões de Portugal.

O portal Compara.Já fez contas a quantos anos demora a pagar uma casa de 120m2 com recurso a crédito bancário nas várias regiões de Portugal, tendo em conta o preço por m2 médios do município e o salário médio de cada região em causa.

Faro, concluiu o portal, é a cidade em que mais tempo demoraria um casal a pagar a casa: 42 anos.

Já em Lisboa seriam precisos 34,6 anos, seguindo-se a Madeira, com 27,9 anos, e o Porto, com 23,1 anos.

Seguem-se Setúbal (22,9 anos), Beja (22,6 anos), Évora (22,4 anos), Viana do Castelo (21,5 anos).

Já com menos de 20 anos a pagar a casa, segundo as condições definidas pelo Compara.Já, estão Guarda e Castelo Branco, em que seriam precisos menos de 15 anos em cada uma, seguindo-se Vila Real (15,4 anos), Viseu (15,8 anos), Açores (16 anos), Portalegre (16,6 anos), Aveiro (17,2 anos), Santarém (17,4 anos), Braga (18,3anos) e Bragança (18,6 anos), Coimbra (19,7 anos) e Leiria (19,8 anos).

A ComparaJá.pt, criada em 2015, é uma plataforma 'online' gratuita e independente de análise de produtos e serviços (sobretudo financeiros - cartões de crédito, créditos pessoal e habitação - mas também de pacotes telecomunicações), permitindo comparar o que oferecem os vários operadores de mercado.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon