Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Sindicato da Construção alerta para perigos da emigração através de "angariadores"

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/07/2017 Administrator

O Sindicato da Construção vai colocar "pelo menos 40 telas" no Norte do país alertando para os perigos da emigração através de "angariadores de mão-de-obra" e aponta como exemplo a situação vivida por trabalhadores portugueses em Toulouse.

Segundo o presidente do sindicato, Albano Ribeiro, há atualmente "cerca de 10 mil" trabalhadores portugueses da construção em Toulouse, mas dada a proliferação de obras públicas e privadas naquela cidade francesa "nos próximos 10 anos serão no mínimo 20 mil".

Recentemente regressado de uma viagem a Toulouse "para observar no terreno como atuam as redes de angariadores de mão-de-obra francesas e portuguesas", o dirigente sindical denunciou que "essas redes mafiosas ganham por cada trabalhador cerca de 500 euros/mês".

"Convidam os trabalhadores para sítios isolados em Portugal, prometendo pagar-lhes bons salários, o que depois não acontece. Chegados a França, os trabalhadores são colocados em casas por esses angariadores, tendo que lhes pagar 200 euros", sendo que "essas mesmas casas, ao fim de semana, são reconstruídas pelos trabalhadores, que não recebem nada pelo seu trabalho, para depois de restauradas serem vendidas", denuncia.

Assegurando que no ano passado "apareceu um trabalhador morto numa dessas casas, onde conviviam ratos com seres humanos", e que o caso está ainda "a ser investigado pelas autoridades franceses", Albano Ribeiro garante que "quando os trabalhadores reivindicam os direitos prometidos aquando da sua contratação são pura e simplesmente abandonados".

"Tudo isto é grave, mas é mais gravoso ainda que os angariadores de mão-de-obra retenham os cartões multibanco dos trabalhadores e depois os usem para seu próprio proveito", acrescenta.

De acordo com o presidente do Sindicato da Construção, atualmente "a capital das redes de angariadores de mão-de-obra em Portugal é Barcelos", pelo que esta será uma das cidades onde, até agosto, será colocada uma tela alertando para a atividade dos angariadores, assim como o Marco de Canaveses, Lousada e Amarante, entre outras.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon