Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Sporting de Braga acusa PSP de negligência e incapacidade

Logótipo de LusaLusa 20/02/2017 Guilherme Soares
HUGO DELGADO/LUSA © EPA / HUGO DELGADO HUGO DELGADO/LUSA

Braga, 20 fev (Lusa) - O Sporting de Braga considerou hoje que a responsabilidade dos acontecimentos antes e depois do jogo com o Benfica, domingo, da 22ª jornada da I Liga de futebol, deveu-se à “tremenda incapacidade revelada pelos dispositivos policiais”.

“A imagem que resulta da organização do encontro sai desfocada pela gravidade dos acontecimentos ocorridos antes e depois do jogo e que o Sporting de Braga tem de imputar, muito diretamente, à tremenda incapacidade revelada pelos dispositivos policiais no controlo dos espaços e das operações”, pode ler-se num comunicado da SAD minhota.

Segundo os responsáveis bracarenses, “a operação policial montada para o jogo de ontem (domingo) cometeu um erro crasso e imperdoável: foi reativa e não preventiva”.

“Não esteve à altura dos desafios que um evento desta natureza levanta, o que levou a que negligenciasse o controlo e a monitorização dos espaços circundantes ao Estádio Municipal de Braga, agindo tardiamente e a despropósito, abusando da força quando já não podia mediá-la”, prossegue.

O Sporting de Braga diz ainda “lamentar ter de chegar, pela enésima vez, a esta conclusão: a de que a Polícia de Segurança Pública, tão zelosa nos dispositivos que exige para o interior do estádio e que tanto oneram os clubes, se revele tão negligente na proteção do espaço público, esse sim da sua exclusiva responsabilidade e que, no caso concreto dos jogos de futebol, em tanto contribui para o clima que rodeia o espetáculo desportivo".

A SAD liderada por António Salvador "reconhece às forças policiais a missão de conter os excessos dos adeptos, mas questiona as estratégias delineadas e que privilegiam o controlo pela força e não pela presença".

“O dispositivo policial não teve a capacidade de mediar os conflitos, restando-lhe carregar indiscriminadamente sobre a multidão, e em particular sobre os nossos adeptos, gerando o pânico e transformando um momento de celebração entre amigos e família num episódio lamentável e que afasta público dos estádios", critica.

O comunicado termina afirmando que o Sporting de Braga "não deixará nunca de fazer a defesa dos seus adeptos" e "não tolerará abusos gratuitos da força nem que em torno dos seus jogos se gere um clima de pânico e de terror".

"O Sporting de Braga reconhece a função das forças policiais e a sua dificuldade, mas exige que os espaços em redor do seu estádio e dos estádios onde joguem as suas equipas sejam espaços onde impere a ordem e não o caos", lê-se.

Contactada pela Agência Lusa, a PSP de Braga disse não conhecer ainda o teor do comunicado e reservou para mais tarde uma eventual reação.

GYS // PFO

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon